Imagens das páginas
PDF
ePub

pereyra pacheco q fosse coele, & a outro que auia nome Vasco da silueira , abos valentes caualeiros. E hủ sabado ao meo dia apareceo ao mar a nao de Cochim que leuaua ho Alifante que era muyto gråde, & leuaria trezentos mouros de peleja. El rey de Calicut q ainda não sabia como os Portugueses pelejauão, quando soube que vinba a nao saio á praia pera ho ver, cuydando que auia dir toda nossa frota a pelejar com a nao. E quando vio ho nauio de Pero dataide ğ era muyto pequeno,

& soube que aquele só auja de pelejar com a nao teueo por escarnio, & cuydando q Pedraluarez ho fazia dele , lhe mandou dizer, que se lhe auia de mandar tomar a nao como The tinha prometido, que mandasse outras naos, & não aquela tamanina : ao que Pedraluarez respõdeo que ele sabia bem ho ğ fazia, & q aquela abastaua pera tomar outra muyto maior q aquela, & pera saber ho que os Portugueses fazião , & como pelejauão, ĝ mandasse coeles algũs mouros pera que os vissem , & ainda q el rey não ficou satisfeito coesta reposla, mandou hû mouro cổ Pero dataide, ya á vela a pos a nao, & por se deter è tomar ho mouro, se alongou a nao muylo dele : a û tornou a seguir ate a noyle ở lhe desapareceo, perdendoa da vista pareceolhe que surgeria junto da terra & por isso foy costeando, & ao quarto dalua foy dar com a pao, ở estaua dando a vela , & arribando sobrela posto a sotauento mådou aos mouros que amainassem & eles como que zõbauão dele derã hùa grăde grita , & tocarão seus instormentos, & tirarålhe frechadas sem conto: & os Portugueses vědo isto lhe derão hứa surria. da de bombardadas , & hữa dứ camelo lhe fez pa proa ao lume đagoa hũ buraco cô ở The brou muyta agoa , &' as outras matarão algüş mouros, & os nauios cỏ medo doutra tal arribarão a Cananor, & meteranse ja bem de dia e hûa baya que tem, & posseråse antre quatro naos outras, aque chamão meter em concha : Pero dataide entrou na baya & mandou eshõbardear as naos,

& quasi que as linha rèdidas se lhe não valerão certos pa

&

TOMO I.

P

raós de mouros, com que pelejādo os Portugueses dejxarão as naos & os paraós læbem forão desbaratados se The não anoitecera: do que os mouros de Cananur &outra gête que foră ver a peleja eslauão espătados. Pero dataide como foy noite de todo que não pode pelejar , saiose da baya pera ho mar, porğ lhe não queimassem de noyte ho naujo, & achou que lhe nã tinhão feridos mais de noue homès, pelo q determinou com conselho, que pois não podia meter a nao no fundo de a aferrar, posto. que fosse contra ho regimento que leuaua, que era não a ferrar a nao mas melela no fundo, & como foy manhảa tornou a entrar na baya , & achãdo que os mouros dauảo a vela pera se acolherem, mandou desparar sua artelharia , cỏ que arrombou a nao ao lume dagoa, & vendo os mouros que não tinhão saluação renderãose, & a nao ficou ê poder dos Portugueses : do que a gente de Cananor ģ estaua na praya ficou muyto triste, & os Portugueses os fizerão despejar as bombardadas. Feito isto parliose Pero dataide pera Calicut leuãdo a nao & chegou lá ao outro dia. E el Rey foy a praya auer a nao, que leue por muyto grăde façanha tomarse por tam poucos Portugueses, & ficarè todos viuos. E Pedraluarez mådou dar a el rey a nao cổ ho Alifåte que ele queria & outros que se acharão nela, & assi todo ho mais : mandandolhe dizer, que não tenesse por muylo tomarê tão poucos Portugueses aquela nao, porque outras cousas mayores farião por seu seruico: do que lhe el rey mandou muytos agardecimentos, & por seu rogo The mandou Pedraluarez, Pero dataide, Duarte pacheco, Vasco da silueira , & outros dos que forầo na tomada da nao porque desejou de os ver, & a todos fez muyla honrra & merce. E vědo el rey que tão poucos Portugueses tomarão tão asinha hùa nao a tầtos mouros, lhes ouue dali por diante tamanho medo que desejou de os ver fora de Calicut, receando que lha tomassem.

C A P I T O L O XXXVIII.

Do q passarão os mouros de Meca el rey de Calicut

fi de como se leuấtară côtra os Portugueses ĝ estaua

è terra, Com

om a tomada desta nao se ouueră os mouros de Meca por muy afrontados, & ficará muy descötentes del rey, porque fazia tanta conta dos Portugueses que os tomaua pera vingadores de suas offensas, ho q era em seu desprezo, & temerão que teuessem os Portugueses tanta valia com el rey s lhes fizessem perder a sua que era muyto grande, em tanto q mandauão os Gentios como senhores da terra, & lhes tomauâo a pimèta pelo preço que queria, sem eles ousarem de lhes côtradizer: & tảo sogeitos lhes erå que muytas vezes não ousauão de sair das casas com medo deles, & por estas opressões ĝ tinhão querião mayor bem aos Portugueses que a eles , & folgauảo de lhes vender antes a especiaria q a eles, mas não ousauào com medo: & os mouros que ho entendiảo , & vendo que täbem el rey fazia conta dos Portugueses , & mådaua ở carregassem primeyro que todos os estrangeiros, deranse por desualidos & desacreditados na terra , & mais vendo que os Portugueses leuauão tantas mercadorias como eles & tão boas, & que comprauão låta pimëta : & por isso determinarão destoruar por quätas vias podessem que Aires correa não podesse comprar phùa pimenta , & davão por ela mais do que valia , & porque aba tessem as mercadorias da feytoria dauâo as suas por menos preço,

& coestas manhas de q vsauão, não pode Aires correa em tres meses que auja que estava è Calicut auer carrega mais que pera duas naos, ho ở Pedraluarez sentia muylo, porque bê sabia as roindades q faziã os mouros de Meca, & as manhas que tinhão pera não auer carrega , & fazião cổ atreuimento del rey de Calicut: & polo fauor ġ lhes daua ho q se parecia è quã remisso era em os castigar polos queixumes ĝ lhe mandaua fazer deles, & se nã fora ho rico presente que lhe tinha dado, & ho muylo tempo que ali tinha despeso ele se fora a Cochim , & assentara amizade com el rey , de q tinha fama q era muyto melhor homë q el rey de Calicut: porem ho gasto q tinha feyto em Calicut ho constrangia a não se ir a Cochim. E por ser tarde pera carregar as outras naos q podesse partir pera Portugal na moução , deterininou de mãdar aquelas duas que estauão carregadas, & escreuer a el rey dở Manuel a verdade del Rey de Calicut, & quanto melhor se faria a carrega ě Cochim, & ele ficaria è Calicut ate ver seu recado, ou ver se podia auer carrega pera as outras naos. E cổ ludo mandouse queixar a el Rey de Calicut do inao auiamento que lhe tinha dado, & de quã mal comprira a promessa q tinha feyta de dar carrega a todas as naos em vinte dias & primeyro ĝ a todos os mercadores, & q era dos derradeiros, & os mouros tinhão leuado iudo, sem querer obedecer a seu mandado. E mostrandose el rey muyto espantado, respondeo a Aires correa ĝ The deu este recado q lomasse Pedraluarez a pimenta ğ achasse aos mouros ainda q a teuessem carregada , & que lha pagasse como a linhão comprada. Ho ĝ foy logo sabido pelos mouros de Meca, & como eles não desejauão mais q ter causa pera pelejar com ho feytor, & matar quantos estauão coele, parecendolhes ĝ daqui naceria inizade antre el Rey & os Portugueses pera ở se fossem & não tornassem ali mais, concertarão de fazere que Aires correa màdasse dizer a Pedraluarez ở por virtude do que el rey tinha mãdado tomasse hùa nao de Coge çameceri q estaua carregada de pimenta , & que coela carregaria algñas das naos de Portugal, & ho mesmo Coge çameceri ĝ mostraua ser amigo Daires correa lho disse è segredo, mostrando q fulgaria de tomar a nao, não dizendo que era sua, nè Aires correa ho soube: & muyto ledo cô o ardil ho madou dizer a Pedraluarez cabral, q como sabia a inconstâcia del rey,

que tudo

& ho credito que os mouros de Meca tinhão coele , & quãto valjão & podião na cidade, temeo ở se tomasse a nao ỹ se escandalizariã & leuantarião contra os Portugueses, & como erão muytos matariã logo os q estauão na feytoria , & por isso não queria tomar a nao mandado dizer a Aires correa a rezão porque. E não auendo ele por boa mandou fazer tantos requerimentos a Pedraluarez ĝ tomasse a nao porğ seria grăde perda pera el rey de Portugal não se lomar, que lhe foy forçado satisfazer a seu requerimento, & com quanto estaua doente. de quartås q auia anos ở tremia & sangrado daquele dia, mådou os capitães da armada nos bateis & com gente que deteuesse a nao que não partisse & quando não quisesse por bem, que a deteuessem por força, & a descarregassem. E Coge çameceri & os outros mouros que estauão prestes è lhe fazêdo hữ sinal q os Portugueses querião deter a nao, dão rebate hûs aos outros, & saề como cães danados cô suas armas caminho da feytoria, & matară logo esses Portugueses que acharão pola cidade. E tinhão ordida esta treição tão secretaměte ģ nunca Coge bequi nem outros amigos dos Portugueses ho poderão saber : & sairão tão de supito, que não ouue tempo pera Aires correa ser auisado: se não ětrou muyto depressa na feytoria hủ veneziano chamado Micer benaiuito estante em Calicut que conhecia Aires correa, & disselhe-ở quê queria fazer mercadoria, nã tomaua a nao & deixaua a partir, & isto pola nao ở os Portugueses eslauão tomado, & acabando de dizer isto tornouse a sair cố a pressa q entrou sem esperar reposta. E Coge bequî que soube o impito com ġ os mouros yão contra os Portugueses, foy correndo pera auisar Aires correa, & os mouros lhe yão tanto nas costas, entrando ele muyto depressa na feytoria todo enfiado, não pode mais dizer ĝ Aires correa, Aires correa , leuantădo as inãos como home agastado. E nisto chegarão os mouros com grădes gritas, & erão muytos armados ton

« AnteriorContinuar »