Manual prático do ódio

Capa
Planeta, 11 de mar. de 2014 - 273 páginas
Original e vertiginoso, com uma linguagem agressiva e contundente, o relato da vida de Lúcio Fé, Aninha, Régis, Celso Capeta e Neguinho da Mancha na Mão mostra a disseminação do ódio como o sentimento real de uma sociedade competitiva, levado às últimas consequências no contexto da periferia de São Paulo. Manual prático do ódio incomoda e assume-se como uma possível arma contra o distanciamento social construído pela escravidão e pelo capitalismo. Escrito por quem conhece de perto os personagens e o ambiente em que eles circulam, o romance deixa claro que o autor fala do ponto de vista do sujeito pobre, formado pela cultura de massas, e, embora não compactue com o rancor social manifestado por seus personagens, tenta ao menos compreendê-lo. Manual prático do ódio é um livro que pulsa como a quebrada das vielas na periferia de uma das maiores metrópoles da América Latina.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Sobre o autor (2014)

Nascido em 1975 em São Paulo, Reginaldo Ferreira da Silva, o Ferréz, trabalhou como balconista, auxiliar-geral e arquivista antes de se dedicar exclusivamente à escrita. Lançou o livro Fortaleza da desilusão, em 1997, e firmou-se como um dos principais escritores de sua geração com Capão pecado, de 2000. Autor também de obras como Manual prático do ódio, Ninguém é inocente em São Paulo e Os ricos também morrem, teve seus livros publicados em vários países. Ligado ao movimento hip hop, fundou o selo Literatura Marginal. Atuou como roteirista do filme Brother e dos seriados Cidade dos Homens (Globo) e 9MM (Fox), e, como compositor, teve músicas gravadas por vários artistas e lançou dois CDs. Vive em São Paulo, com a mulher e a filha.

Informações bibliográficas