Collecção de poesias ineditas dos melhores autores portuguezes, Volume 2

Capa
na impressão regia, 1810
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Ver todos

Passagens mais conhecidas

Página 165 - Márcia mil agrados? Não foi entre estes álamos copados Que a delicada face lhe beijei? Não foram estes campos venturosos, Que alegre já pisei com Márcia amada?. . . Não foi aquela fonte prateada Que via os nossos prantos amorosos?. . . Ah'... Funestas imagens, quantos ais, Com lágrimas do peito me tirais! Guiai-me, meus cordeiros, Vamos buscando agora outros outeiros Onde a vida alimente De lágrimas, de dores, de suspiros. Fujamos desta horrível solidão, Que tanto me atribula o coração....
Página 72 - Gahe, ou pende do sceptro o inutil peso. Se serás de Fillippe O vencedor herdeiro, aqui pergunto ; Deixa que o mundo a teu cadaver junto Este aviso antecipe ; Elle não póde crer-te, Se hoje, Olympias, por ti lagrimas vérte, Aonde estão os grandes, onde as glorias. Com que a Patria te honrou, tantas victorias?
Página 45 - Não sou em mim. A alvoroçada mente Soltar-se emprende, ea ti voar trabalha. Acode o Amor: no coração entalha Vindouros gostos co farpão ardente. Hei de ser mais feliz. Sopro divino A ideia arrebatada me bafeja...
Página 170 - Admiravel objecto absorto vejo; De espiritos celestes, De esmeraldas coroados, e diamantes; Um brilhante esquadrão em torno a cerca Batendo as azas d'oiro. Uns sobre ella derramam às mãos cheias Uma nuvem de flores; outros cantam Acordemente Ao grato som de varios instrumentos O seu triunfo. Oh bemdita entre as mulheres, Exaltada na terra, Qual no Libano o cedro junto d'agoa, Ou platano frondoso, ou qual nos campos A formosa oliveira. Entre as filhas de Adão, qual entre espinhos O puro e branco...
Página 53 - ... Aglaia bela, Que avara estrela Desta ribeira Há tanto havia Cruel roubado; Cos olhos belos O verde prado, Floridos montes, Torna a alegrar. Colhei Amores Mirtos e rosas: Colhei formosas Ninfas do Tejo Conchas e flores: Ricas capelas Ledas tecendo, Vinde com elas As tranças de ouro, Vinde enastrar. "Eu que vos chamo Serei o guia:" Assim dizia Amor voando De ramo em ramo.
Página 4 - Quem fórma estas cadencias? Quem produz tão mimosas influencias? Se os olhos me não mentem, Os venturosos nomes Gravados nestes troncos já se sentem, Tu, tempo gastador, os não consomes; Briareu aqui diz este, Ninfeu diz outro, aqui diz outro Eureste.
Página 171 - ... as mulheres Exaltada na Terra, Qual no Libano o cedr.o junto d'agoa , Ou platano frondoso , ou qual nos campos A formosa oliveira. • Entre as filhas de Adão , qual entre espinhos O puro e branco lirio resplandeces Toda sem mancha: Tu dos Córos Angelicos és honra : Tu do Empirio...
Página 73 - E qae espaço te espera Do conquistado globo ? Acaso a vasta Extensão do Universo? Ah não, não basta A Alexandre, que dera Tanto susto ao Universo, Que afrontando o terror de Marte adverso, ])e novos mundos á conquista aspira, Não basta o mundo todo a erguer-lhe a pyra.
Página 5 - Igualmente meu nome se insculpira! Entre a serie preclara De Glauceste a memória se guardara. Mas onde irá sem pejo Collocar-se atrevido Quem longe habita do sereno Tejo, Quem vive do Mondego dividido, E as auras não serenas Do patrio Ribeirão respira apenas? Sim, vosso caro abrigo, Pastores póde tanto, Que despertando do silencio antigo, Erguer bem posso sem vergonha o canto: Comvosco está Glauceste, Comvosco faz soar a flauta agreste. Se não cantar os feitos Do .bom pastor...
Página 18 - O vosso ofício é chorar. Que importa mudar de terra, E baldados passos dar, Se a toda a parte a que os volto Vai comigo o meu pesar? Vejo pálidos doentes Pela copa passear, Ouço de antigas moléstias Tristes efeitos contar.

Informações bibliográficas