Cintra pinturesca

Capa
Empreza da historia de Portugal, 1905 - 321 páginas
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Ver todos

Passagens mais conhecidas

Página 227 - The sunken glen, whose sunless shrubs must weep, The tender azure of the unruffled deep, The orange tints that gild the greenest bough, The torrents that from cliff to valley leap, The vine on high, the willow branch below, Mix'd in one mighty scene, with varied beauty glow.
Página 232 - A quantos esta carta virem fazemos saber que nos veendo e consirando os muytos servyços que nos e estes regnos recebemos e entendemos de recebermos ao deante do Conde D. Henrique portador desta carta e querendo-lhe nos conhecer e galardoar com merces o que deve fazer o bom Rey e Senhor a tao leal vassallo e servidor.
Página 228 - Here didst thou dwell, here schemes of pleasure plan, Beneath yon mountain's ever beauteous brow; But now, as if a thing unblest by Man, Thy fairy dwelling is as lone as Thou! Here giant weeds a passage scarce allow To Halls deserted, portals gaping wide; Fresh lessons to the thinking bosom, how Vain are the pleasaunces on earth supplied; Swept into wrecks anon by Time's ungentle tide.
Página 291 - Rompe por estes magníficos versos : Amo-te, ó cruz, no vértice firmada De esplendidas egrejas ; Amo-te quando á noite, sobre a campa, Junto ao cypreste alvejas ; Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos, As preces te rodeiam •, Amo-te quando em préstito festivo As multidões te hasteiam ; Amo-te erguida no cruzeiro antigo, No adro do presbyterio, Ou quando o morto, impressa no ataúde, Guias ao...
Página 238 - Não sei se morreu bem ou mal, se fez bem ou mal em morrer; mas é certo que morreu. aquillo que eu posso dar. Que, ás vezes, o máu pagador não é máu senão pelas absurdas e excessivas exigencias do crédor.
Página 238 - Fidalgo aprendiz' do nosso Francisco Manuel de Mello, se cantava em Portugal uma cantiga que começava assim como ésta: - Gavião, gavião branco. Vai ferido e vai voando. > 'Nunca pude incontrar o resto, nem procurei muito por elle ; mas ingracei com este principio, e servi-me d'elle aqui. Acha mal feito? Eu não. 'Se soubesse, meu caro senhor, todas as circumstancias d'esta composição! Se soubesse de certa pêga ou pêgas que me perseguiram com seu malditto palrear, e me queriam, inda em cima,...
Página 238 - Que, ás vezes, o máu pagador não é máu senão pelas absurdas e excessivas exigencias do crédor. Axioma de eterna verdade, especialmente quando applicado a tudo o que passa entre os representantes de nosso pae Adão e as representantas de nossa mãe Eva... ' Passemos adeante. Quer, senhor redactor, acceitar-me, em pagamento da lettra de minha promessa, este papel que achei embrulhado entre mil rabiscos de projectos de lei, tenções de autos, notas ao orçamento e outras coisas galantes do mesmo...
Página 291 - As preces te rodeiam ; Amo-te quando em prestito festivo As multidões te hasteiam ; Amo-te erguida no cruzeiro antigo, No adro do presbyterio, Ou quando o morto, impressa no ataúde, Guias ao cemiterio ; Amo-te...
Página 292 - Como atalaia que o oceano explora Alheio ás mil mudanças Que o mundo agitam turbulento e vario, Em ti minha alma a eterna cruz adora. Sobros, robles frondentes, Cuja sombra procura o viandante...
Página 16 - Scalabicastro, cujo campo ameno Tu, claro Tejo. regas tão sereno. LVI A estas nobres villas submettidas Ajunta tambem Mafra em pouco espaço. E nas serras da Lua conhecidas Subjuga a fria Cintra o duro braço: Cintra, onde as Naiádes escondidas Nas fontes, vão fugindo ao doce laço Onde amor as enreda brandamente. Nas aguas accendendo fogo ardente. LVII E tu, nobre Lisboa, que no mundo Facilmente das outras és princeza, Que edificada foste do facundo, Por cujo engano foi Dardania accesa: Tu,...

Informações bibliográficas