A elite do atraso: Da escravidão à Lava Jato

Capa
LeYa Editora Ltda., 1 de set de 2017 - 195 páginas
Numa época em que a questão das desigualdades racial e social estão, mais do que nunca, no centro de cena – dos grandes veículos de comunicação aos comentários nas redes sociais e até mesmo nas conversas das mesas de bar, onde todos parecem ter uma ideia muito bem definida do que é capaz de construir um país ideal –, o sociólogo Jessé Souza escancara o pacto dos donos do poder para perpetuar uma sociedade cruel forjada na escravidão. Esse é o pilar de sustentação de nossa elite, A Elite do Atraso. Depois da polêmica aberta pela obra A Tolice da Inteligência Brasileira e da contundência exposta em A Radiografia do Golpe, o autor apresenta obra surpreendente, forte, inovadora e crítica na essência, com um texto aguerrido e acessível. A Elite do Atraso é um livro para ser apoiado, debatido ou questionado – mas será impossível reagir de maneira indiferente à leitura contundente de Jessé Souza a ideias difundidas na academia e na mídia.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

O livro "A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato", do sociólogo Jessé Souza, é, sem sobra de dúvidas, ímpar na análise contemporânea da sociedade brasileira e entrará, certamente, na coleção de leitura obrigatória para a compreensão da trama social aqui construída.
Jessé faz uma balanço retrospecto a partir dos códigos sociais pelos quais o brasileiro passou a se interpretar e ser interpretado, entretanto, de modo forjado - em suas palavras - pela teoria social brasileira, inaugurada com Gilberto Freire (o qual ele [Jessé], embora aponte erros, reconhece grandes acertos - sobretudo historiográficos) e continuada, sobretudo, por Sérgio Buarque de Holanda (a quem Jessé concentra a maior parte de suas críticas) e, mais tarde, pelo antropólogo Roberto DaMatta. Além desses autores, Florestan Fernandes também é utilizado pelo Jessé como exemplificação de "tentativa mais acertada (porém nem tanto) de compreensão da psicologia social do país". Também vai em busca de conceitos clássicos e contemporâneos da teoria sociológica a fim de corroborar a sua tese, o que por fim se torna uma verdadeira aula de Weber e Habermas, além de outros os quais ele não chega a se aprofundar, mas permitem aguçar a curiosidade daqueles mais íntimos ao tipo de bibliografia.
A leitura o livro do Jessé, embora a princípio possa parecer técnica (acadêmica), é de fácil compreensão e ao mesmo tempo riquíssima em conteúdo teórico, mas sem deixar de ser prazerosa e surpreendente.
De modo inteligente, o professor Jessé explica a origem dos estratos sociais brasileiros (as classes), especificamente a(s) classe(s) média(s). Neste ponto, precisamente, reside a genialidade do autor, e sendo, também, aquilo que coloca "A elite do atraso" como a cereja do bolo de sua bibliografia recente (embora eu já esteja ansioso para ler a continuação no livro que será lançado em breve: "Subcidadania brasileira: para entender o país além do 'jeitinho brasileiro'").
 

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Não

Sobre o autor (2017)

JESSÉ SOUZA, 57 anos, fez graduação em direito e mestrado em sociologia na UnB, e doutorado em sociologia na Universidade de Heidelberg, na Alemanha. É autor principal de 27 livros e de mais de cem artigos e capítulos de livros em vários idiomas. Publicou A Tolice da Inteligência Brasileira e A Radiografia do Golpe pela LeYa em 2015 e 2016. Coordenou também diversas pesquisas empíricas de amplitude nacional sobre as classes sociais e a desigualdade social no Brasil. Foi presidente do Ipea entre 2015 e 2016. Atualmente é professor titular de sociologia da UFABC.

Informações bibliográficas