Educação e interseccionalidades

Capa
Ligia Ziggiotti de Oliveira, Josafá Moreira da Cunha, Rafael dos Santos Kirchhoff
NEAB-UFPR, 12 de dez. de 2018 - 313 páginas
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado

Se, por um lado, a violência estatal contra determinados grupos e indivíduos à margem da fruição plena da dignidade se torna uma ameaça concreta e brutaliza tais vivências, por outro, a resistência se articula, em espaços diversificados, para dinamizar uma série de lutas contra os retrocessos. Nesta cadência de transformar cinzas em potência é que surgiu a motivação para a organização desta obra.

O eixo da educação se torna central em razão de um profícuo diálogo, também produzido a partir de um nefasto projeto político, que uniu esforços de uma parcela de juristas e de educadoras(es).

O eixo da interseccionalidade se torna central a partir da preocupante percepção de um fortalecimento, nos discursos hegemônicos, de um sujeito universal, abstrato, e desconectado das necessidades materiais de parcela considerável da população. O entendimento de que as transformações abruptas aprofundam estigmas relacionados a raça, gênero e classe social demanda de nosso contra-argumento o registro constante de corporalidades que, em contextos educacionais, tensionam a pretensa neutralidade da norma vigente.

 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Informações bibliográficas