Imagens da página
PDF
ePub

Junta sobre senhores de Emgenhoz

convocados ao pisica Paes, a cujo costinho Pacheco

Sendo convocados ao primeiro dia do prezente mes nesta Caza em q. rezide o Brigadeiro Jozê da Silva Paes, a cujo cargo está o Gouerno desta Capitania, o D.or ouvidor geral desta Comarca Agostinho Pacheco Telles, q. serve tambem como Juis do Fisco, o Provedor da Faz.a real Bertholameu de Siqueira Cordouil, o D.or Procurador da Coroa, e Faz.a Sebastião Dias da Silva e Caldas, o Doutor Juis de fora Matheus Franco Pr.a, o Doutor Juis dos orphaos Antonio Telles de Menezes, e os Dezembargadores Ignacio Dias Madr.a, e Franc.• Pereira da Costa, e sendo todos prezentes lhes proposo dito Gouernador q. porquanto tendolhe requerido os Senhores de Engenho, e Lavradores desta Cappitania, o quanto hera prejudicial aos entereces de S. Mag.e e bem commum as execuções que se faziaõ por dividas particulares, e diminutas nas fabricas dos mesmos Emgenhos, como gados, escravos, e caldeiras, ficando muitas vezes aruinada huâ taõ grande propriedade por huâ pequena parcella, em cuja atençaõ lhe tinha) sempre sido concedidos oz Alvarâs q. tiverað p.a q. não fossem executados os Senhores de Engenhos nas fabricas delles p. dividas particulares senão sôm.te nos seus rendimentos menos no cazo em q. a divida iguallace com pouca diferença o vallor do Emgenho, por que então se podia rematar toda a propriedade, p.a por esse caminho se conservarem ilezos os Emgenhos, e satisfeitos os credores ; e q. como ainda se lhe não tinha prorogado a mesma m.ce que jâ tinha) impetrado, se bem lhe segurava) lhe vinha nesta frota ; enquanto lhe nao chegava houvece de darlhe providencia como Lugar Then.e de S. Mag., p.a q. as Justissas lhe não fassão as viollencias q. exprimentað, quisâ pella impurtunaçao das partes, dandolhe aquella prouidencia q. fosce mais conveniente ao seru." de S. Mag.e dos seus intereces e do bem commum ; reprezentando-lhe o dito Gouernador q. lhe parecia justificado o d.o requerim.to e q.e deviam çe conseruar inteiras estas propriedades de Emg.os com toda a sua fabrica p.a aumento da Capp.nia e dos dizimos das ordeñs q.e cobra S. Mag.e como Mestre, e perpetuo admenistrador dellas, e asento, q. pellos rendimentos somt.te se devem pagar as suas dividas, e quando nað forem tað excessivas q.e seja precizo venderemse p.a o seo pagamento as mesmas propriedades com toda a sua fabrica a outra pessoa q. as possa comseruar inteiras ; mas quando se rematarem os rendimentos dos Emg.os p.a dividaz modicas, q. p. elles possão pagarce, deve ser a pessoas q. os comservem inteiram.te como rendeiros, a quem por inventario se devem entregar todas as fabricas p.a no fim dos arendamentos tornarem a entregar tudo o q. receberão ao tempo delles, e nunca devem ficar os Emg.os na administraçaõ dos devedores Senhores delles ; p.'q. deste abuzo nasce a sua perdiçaõ e a grande decadencia em q. quazy todos se acha) com pouca fabrica, sem nenhum rendimento, e carregados de empenhos, e dividas, sem meyos p.a o dezempenho, e inhabitados p.a ninguem os socorrer com emprestimos pella dificuldade da cobrança delles, o q. se evitarâ se logo se arendarem, ou venderem como se aponta a quem os possa comservar inteiros, q. hệ o unico fim a q. atende a graça e privilegio, q. athê agora tiuerað, e não aos Senhores de Emgenho como taes, pois p.a a utilidade publica, q. rezulta da conservaçao dos Emgenhos, nao fas estcjaõ elles na mão, e poder dos primeiros Senhores, basta estarem na admenistraçaõ de qualquer outra pessoa, ou por arendam.to ou por compra o ponto sôm.te hê q. se conseruem, e com gr.de dificuldade pode hauer esta conseruaçaõ no devedor empenhado, q. sô cuida em passar a vida estragando talves a mesma fabrica, e comendo todo o rendimento, sem delle pagar a q.m deve, e contrahindo nouas dividas, o q. nao terá no rendr.' q. por todo o rendimento p.'q. rematar se hâ de hir pagando o empenho, e findo elle, hade entregar a propriedade arendada como â recebeo sem deminuiça), p.a o q. hade dar fiança, se não for notoriam.te abonado ; e por este caminho (q.e tambem se comunicou a sua Ill.ma como Prellado ecleziastico em q. conveyo e ao Prouedor e Juis da Alfandega Manoel Correa Vasques, q. tambem deo o seu consentim.to) se ficavab evitando as desordeñs q. athê aquy se exprimentava), e sesando a renouasão da grasa q. pedião a S. Mag.e q. se emcaminharâ o mesmo fim q. hệ conservaçaõ das propriedades, e q. se paguem as dividas q. deverem os Senhores dellas : E sendo todo o referido sobre esta materia ponderado pellos ditos Ministros : Usaraõ uniformemente todos, q. convinha conseruaremse inteiras estas propriedades dos Emgenhos com toda a sua fabrica : e de como assim se asentou mandou o d.o Gouernador fazer este termo q. asignarão. Rio de Janr.° o pr.° de Feuer.° de mil sete centos e trinta e seis. Diz a emenda na quarta regra em fronte «B.meu de Sig.ra Cordovil» e a data «o pr.° de Fever.'» E eu Joze Frr.a da Fonte Secretr.o do Gov.no o subescrevi. - ...avelio de San.to - Joseph da Silua Paes. Agostinho Pacheco Telles. -- Ignacio Dias Madr.a Ber.meu de Seg.ra Cordouil. Matheus Franco Pereyra. Fran.co Pr.a da Costa. O Procur.or da Cor.a e Faz.da Sebastião Dias da Sylva e Caldas. An.to Tellez de Men.es - M. Cor.a Vasq.es

[ocr errors]

Junta termo s. a expedição

Bispo desta o Coronel de Matamso desta Praça M

Aos nove dias do Mes de Junho de mil sette centos trinta e seis forão comvocados, para hua junta pelo Governador, e Capita) General Gomes Freire de Andrada na caza em q. rezide na forma das ordeñs que teue de S. Mg.e o Illustrissimo S.r Bispo desta Diocezi D. Frei Antonio de Guadulupe, o Brigadr.° Joze da Silua Paez, o Coronel de Mar e guerra, e comandante da Esquadra Luis de Abreo Prego os Mestres de Campo desta Praça Manoel de Freitas da Fonceca e Mathias Coelho de Souza, e o M.e de campo Andre Ribeiro Coutinho, o capitão de Mar e guerra comandante da Fragata Comceição João Pereyra Santoz, o capitão de Mar, e guerra cumandante da Fragata Lampadoza Jose de l'ascomcelos os Capitaens de Mar e guerra Andre Glz, Francisco Borges de Brito, e D. Pedro Antonio de Tre, e despoiz do G." e, capita) General expor na prezença de todos as cartas do Governador da Colonia, com a noticia de hauerem os Inemigos repassado o Rio da prata metido sua Artelharia, e Infantaria em Buenus Airez deixando para guarda da campanha hum troço de cauallaria de quinhentos, ou seis centoz cauallos, leo as instruçoeñs seguintez firmadas da Real mão de S. Mg.e S Gomes Freire de Andrada Gouvernador, e capitað General das capitanias do Rio de Janeiro, e Minaz Geraes. Eu Elrey vos imuio m. saudar. Pelo Hiate q. em doze do corrente partio deste Porto, mandei ja participavoz a rezulução q.e hauia tomado de naõ desimular mais tempo as comtinuas violencias com que os meus Vasallos sað vexados peloz Hespanhoes no Rio da prata mandando a elles hua Esquadra de Naus de guerra para facilitar ao Navioz Portuguezez do Comercio a livre navegação do dito Rio q. o Gouernador de Buenus Airez, e o comandante do Registo pretendem embaraçarlhe por ordem que dizem ter da sua Corte sem embargo de ser na forma dos tratados indisputavelmente cumuâ a ambas as Naçoens e juntamente para tomar satysfação das prezas q. tem feito em alguns dos ditos Navioz e socorrer a colonta do Sacramento liurandoa do citio, ou bloqueo com q. mostrauao querer imvadilla os ditos Gouernador, e cumandante comforme as noticias q.e proximamente se receberão asim do R.° de Janeiro, como da Bahia, e Pernambuco, e pela copea que com esta vos serâ emtregue da Instrução q. fui seruido mandar dar ao cumandante da dita Esquadra o bapitao de Mar, e guerra Luis de Abreo Prego ficarieis entendendo as ordens q. leua, e o ûzo q. deue fazersse da dita Esquadra, segundo o estado emq. as couzas do dito Rio da prata se acharem, e os diferentes cazos que deuem figurar se para se proceder com o devido acerto e comforme as minhas intençoens em materia de tanta ponderaçao, visto naõ premittir a distancia que se possa) dar ordeñs mais puzetivas, e todas as q.e vaõ expreçadas na dita instrução recebereis como parte desta para as executares pelo que vos toca com o cuidado, e zello q. merece a comfiança q. fiz da vossa capacidade valor, e prudencia deixando no vosso arbitrio a ultima rezulução do que se deue obrar, como vereiz da dita Instrução. Para as despoziçoeñs de terra, de que nella se trata hé precizo destinarse hum cumandante de notoria capacidade, sciencia, e experiencias, e como todas estas circunstancias comcorrem no Brigadeiro Joze da Sylua Paez com exesso a qualquer outro de que cujo devia lembarme Vos ordeno que no cazo de acharse o dito Brigadeiro dezembaraçado do Governo por hauerez voltado ao Rio de Janeiro na forma que mandei advertirvos na carta que leuou o Hiate lhe declarez que sou seruido nomeallo comandante das ditas expediçoeñz de Terra, e Tropas de dezembarque por comfiar delle que me servirá no dito emprego com o mesmo acerto com que o tem feito em outros. Para subalterno do dito Brigadr.o nomeei a Andre Ribeiro Coutinho fazendolhe a merce da Patente, e soldo de Mestre de Campo por ser hum official de boa capacidade e muitas experiencias adquiridas a sim nas campanhas deste Reino, como no Estado da India, onde me servio muitos anuos com o posto de Sargento Mor, E porq. tambem hê instruido nas materias pertencentes a profição de Engenheiro, lhe emcarregareis expecialmente o que respeita as Fortificaçoeñs q. fôr precizo fazeremsse no Rio da prata debaixo da direção do dito Brigadr.. E quando este se ache empedido com o Governo do R.° de Jan.ro por não achares conveniente emcarregar delle a outrem na vossa auzencia, neste cazo serâ o d.° Andre Ribeiro Coutinho o Comandante das referidas expediçoeñs de terra, e tropa de dezembarqe. O corpo das ditas Tropaz sera composto de hum destacamento tirado dos dous Terços da Guarnição do Rio de Janeyro, e outro das Guarniçoeñs das Fragatas de guerra q. a este fim mandei aumentar mais do q. pedem as suas loutaçoens ordenando tambem q. embarcasem nellas alguns granadeiros. E quando não sejað suficientes hum, e outro Destacamento pedireis alguns soldados ao Governador de Sam Paulo. E ao V. Rey do Estado mando advertir nesta occazião q. no cazo de não ter remetido a colonia por falta de embarcaçoeñs os duzentos soldados, é mais socorros q. me avizou ter promptos os remeta ao Rio de Janeiro sem desição e tendoos remetido, mande sempre alguns soldados com seos officiaes para servirem no diro corpo como para as referidas expediçoens sera sempre necessaria algúa cavallaria, ordenei se remetessem nesta occazião as cellas e maiz armamentos de cavallaria q. constão da rellação que deve inviarvos o concelho ultramar.', na qual se expressão tað bem as mais muniçoeñs, armas, barracas, instromentos de mover terra, e outros petrechos q. vão, e se julgarão precizos, alem do q. o mesmo concelho tinha destinado para provimento dos armazeñs do Rio de Janeiro. Em outra rellação q. vos será remetida pela mesma via achareis nota dos varios generos proprios para repartir pelos Indios do Rio da Prata, os quaes mandei tambem prevenir, e delles fareis o uzo q. se julgar comveniente, procurando atrahir os animos dos mesmos Indios por meyo de algum destes donativos, especialmente os Minuanes q. sempre mostrarão boa inclinação ao meo servisso, e a Nação, e os mesmos generos poderão tambem servir para acumutação de outros, q. for necessario comprar naquella costa, a cujo fim dareis as providencias comvenientes mandando por tudo na devida arecadação. Por alguns avizos de Castella se tem divulgado nestes dias a noticia, ainda q. sem total serteza, de q. os hespanhoes ocuparão a Ilha de Sam Gabriel, de que se infere q. com efeito puzerão ein execução o bloqueio da Colonia, pelo que se faz precizo q. com a mayor brevidade parta a Esquadra do Rio de Janeiro a socorrella, e asim o procurareis executar dando ordem aos Cumandantes para q.e se com efeito se acharem as Tropas Hespanholas na dita Ilha as procurem desalojar, porq.e alem do damno q. daquelle posto podem fazer a Colonia he sem duvida q.e a dita Ilha lhes não pertence, mas aos meos Dominios. A respeito da expedição de Montevedio, facilmente comprehendereis quanto hé precizo emendar os erros e desordens q.e houve na primeira, e tomar mais justas medidas, para q.e, por falta das prevençõens necessarias senão malogre a occazião, ou despois de comseguida a expulção dos Hespanhoes seja precizo passar nouamente pela indecencia de abandonar segunda ves aquelle Posto, o qual tambem sabereis quanto hệ inportante, em todo o tempo, e muito mais no prezente, e que indevidamente se introduzirão nelle os Hespanhoes sendo pertencente aos meos Dominios. Pelo q.e quando intemdais q.e se podera ganhar, e comservar a dita Fortaleza de Montevidio ordenareis q.e seja atacada, e nomeareis para Governador della hum Official capas por valor, e experiencias de a defender de qualquer invazão mandando fazer nella promtamente todas as obras necessarias, e provendoâ abundantemente de muniçõens. E quando intendais q.e sera mais proprio para Governador algum do Officiaes q.e vão na Esquadra vos comcedo faculdade para o emcarregares em meo real nome do dito emprego, emquanto me não dais conta para nomear outro. Da mesma forma nomeareis outro Official para ficar por Governador no Rio grande de S. Pedro, no cazo q.e se execute o projecto desta noua Colonia, e da Fortaleza ii qual deveis mandar leuantar da parte do Sul no citio que se julgar mais ventajozo, e para ella mandareis a Artelharia, armas barracas, e mais muniçoens e petrechos necessarios, algum dinheiro miudo para pagamento dos Officiaes, que trabalharem na obra, hum Emgenheiro para asestir a ella, e dous Religiozos Barbadinhos dos que se achão no Rio de Janeiro, e na falta destes quaesquer outros Sacerdotes de vida exemplar, q.e possão celebrar Missa, e adminitrar os sacramentos aos novos Pouoadores, aos quaes mandareis tambem prover de instromentos q.e se vos remetem para cortar e laurar madeiras, mover terra, mantar gado, e cultivar os Campos, como tambem das sementes necessarias, p.a a dita cultura, e de viveres, e tudo o mais que se julgar precizo, para o estabalecimento de huma nova Colonia, segundo as informaçoens q. facilmente podereis adquirir de pessoas praticas. E porq.e para o trabalho asim da construção da Fortaleza, como da cultura dos Campos, serão necessarios alguns Indios, pedireis ao Governador de S. Paulo, que os mande das Aldeas daquella Capitania, e previnireis tambem ao Comandante da dita Fortaleza com as ordens comvenientes, para q.e se a necessidade o pedir se possa valer de alguá gente da Villa da Laguna, e lhe recomendareis m.i' q.e faça toda a deligencia possiuel para por

ni se podeuar a forinem desiguzerdade

a dita Fortaleza em estado de defença athé o mes de Setembro por ser o tempo, emq. se dis custumaõ secar os Campos, e de ser a elles os Indios Tapes de quem se pode recear alguá invaza). Nas datas das terras daquelle destrito mandareis obseruar a forma de repartição que dispoem o Regimento, recomendando muyto que se evitem desigualdades, e escessos, e nao participem das mesmas datas senaõ as pessoas q.e verdadeiramente estiuerem estabalecidas no ditto Pais. E como pelo q.e avizou o Brigadr.° Jozeph da Silua Paes, hâ muitos no Rio de Janeiro q. pretendem hir para aquella parte me informareis se alem destas seraõ necessarios os alguns cazaes das Ilhas para logo os mandar comduzir. De tudo o que for sucedendo a sim neste particular, como no mais q. deue obrar a Esquadra me dareis conta com a brevidade possivel, por todas as vias que julgares mais promtas, e espero q. reguleis tudo em forma que voz façais merecedor do meo rial agrado, e aprovaçao. Como nao obstante tervos eu ordenado pelo dito Hiate q. venhaes ao Rio de Janeiro, para dispor as referidas expediçoenz, pode âcomtecer q. alguá indespoziçaõ vos tenha embaraçado a viagem, ou q. se emcontre dependencia tal do meo servisso que seja muy prejudicial apartavos das Minas, e neste cazo seria mui incomveniente q. nað fosse sabedor o Brigadr.° Joze da Silua Paes do q. na prezente carta se comthem, julgo aprepozito q. lheua copea dela escripta em Lisboa occidental a vinte e quatro de Março de mil sete centos trinta e seis Rey «Luis de Abreo Prego : Eu ElRey vos emvio muito saudar. Por cartas do Governador da colonia do Sacramento escriptas em doze e dezeseis de Setembro passado me foi prezente q. nao podendo o Governador de Buenus Aires por em execução o estranho projecto, que intentou de restringyr a seo arbitrio os limites da mesma colonia, e empedir aos seos moradores o uzo livre daquella campanha que indesputavelmente pertence a minha coroa, comforme o estipulado no tratado de Utrecht, passou a outro nað menor excesso de mandar vezitar pello comandante do registo, que asiste em Montevedio, os Navios Portuguezes que voltauão da colonia para os Portos do Brazil, e ultimamente chegou a reprezar hum destes, e depois outro que fazia viagem para a mesma colonia comfiscando os ambos, comduzindoos como taes para Buenus Aires sem q. fossem bastantes a impedir tað inaudito procedimento, nem os repetidos officios, nem oz protestos de que uzou o Governador da Colonia, porque a tudo responderão asim o d.o Governador de Buenus Aires, como o cumandante q. executauaõ as ordeñs da sua Corte ao q. acresce q. chegando a Buenus Aires no primeiro de Setembro huá curveta despachada com o mayor segredo de Biscaya sem outras cartas mais q. as da mesma Corte principiou logo o Governador ajuntar Tropas no Rio das viboras, e o cumandante a preparar a sua Nau, e algumas embarcaçoens menores para hir cruzar sobre o banco do Inglez de q. facilmente se infere q. intentavao, ou citiar, ou bloquear a Praça da Colonia, e impedir aos meos vassallos a liure navegaçao do Rio da prata, que hể cummua a ambas as Naçoeñs na mezma forma em 9. ja lhes tinhão prohibido a cumunicaçao com as terraz do Domino Hespanhol por hum bando que em todas mandou publicar o dito Governador, cominando pena de morte a qualquer pessoa que emcomtrando nellas algum Portugues o nað prendesse, e lhe desse qualquer ajuda, ou favor. 2 E porq. a vista de tað atrozes violencias, e repetidas hostellidades principiadas por parte dos Hespanhoes, e authorizadas, segundo elles mesmos comfessão, com ordeñs da Sua Corte nað pode ja ter Lugar a moderação a que athê agora me obrigavão as fingidas promessas da mesma Çorte, e a Mediação, e repetidas instancias das de Paris, Londres, e Haya : tenho rezoluto mandar ao Rio da Prata huma Esquadra de Naos de guerra, que serâ composta das tres q. prezentemente

« AnteriorContinuar »