Imagens da página
PDF
ePub

TERMOS DE JUNTA -1734=1778

S.e o hospício na Ajuda dos frades de Hieru/alem.

Sendo comvocados a caza em que rezide o Gov.r e Capp.am Gen.al desta Capp.nia Gomes Freyre de Andrada o R. P. Simão Marquez da Comp.a de JESUS (que veyo em lugar do P.e Reyttor do Col.*?io por se achar mollestado ) o Doutor Ouvidor g.l desta Capp.nia Augostinho Pacheco Tellez, o Doutor Juis de fora Francisco da Silva Castro, e o Provedor da Fazenda Real Berm.eu de Siqr.a Cordovil, e sendo todos prezentes lhes propôz o mesmo Governador, e Capp.m Gen.l, q.e havera trez mezez, ve}-o a sua prezença fr. Manoel de S. Ant.° religiozo de São Francisco, nesta Capp.nia Procurador da Caza S.ta de Jeruzalem asistente no Palacio do Illm.° Bispo desta Diocezy, e lhe disse que querendo fazer huà caza no citio de Nossa Snr.a da Ajuda p.a nella recolher os Donatoz, escravoz, e cavalgaduraz, que andão no peditorio

da Caza S.ta, propondo-o sua Illm.a, lhe dissera, que naquelle Citio queria

fazer mayor caza, e huá varanda, em a qual por ser perto do mar, e do minante a Barra intentava estar alguás vezes prencipalm.e em entradas e sahidas de Frotta, ao que o d.° Gov.r, e Capp.nt Gn.1 respondera q.e sua Illm.a

podia mandar fazer todas as obras, que foce servido, esta athe o

prezente, fora informado por varias pessoas seculares e religiozoz q. a chacara, e terra em q. se levantaram as .... e varanda, haviam sido compradas com o dr.° da caza S.ta de Jeruzalem, e que a obra, .... ao prezente está feita, e nella continua, se fas com despeza das ditas esmollas, sendo afectada a reprezentação que o d.° fr. Manoel de S. Ant.° lhe havia feito, e asim chamando-o lhe disse ser precizo .... mostrar, que a obra na forma dita era de sua Illm.a, e não sua porque para sua Paternid.e poder fazer Hospicio, Caza, ou morada alguà, o embaraçava puzetiva ordem de S. Mag.e, e que voltando o d.° Religiozo a sua prezença, lhe entregara huà petição feita, ao Illm.° Bispo do theor seguinte. § Illm.° Snr. Espoem a V. Illm.a fr. Manoel de S. Ant.° Religiozo do nosso Seraphico P.e S. Franc.° e Vice Comissr.° da Terra Sancta neste Bisp.tUi, q.e vindo da Cid.e de Lx.a emviado pelo Comissr.° g.1 da Terra S.ta, e com ordem de S. Mag.e que Deos g.e para tirar esmollas nesta Cid.e, e Bispado para a conservação, e manutenção dos Sanctos Lugares de Jeruzalem, foi V. Illm.a servido por sua benevolencia, e amor a Religião Saraphico recolhera ao supp.e neste seo Palacio aonde asiste ha sette annos na imcumbencia do seo ministerio, attendendo á não ter o Supp.e domicilio algú aonde estar, que foce comveniente a sua comservação, e asistencia por não haver no comv.° q.e a Relligião tem nesta Cidade, comodid.e p.a ella, e dos Religiozos, q.e por esta Cid.e passão de Lx.a p.a as Minas, e São Paulo, e destas p.a Lx.a, sendolhe precizo andarem por cazas de seculares, e pernoutarem nellas com oz discomados, e inconven.1* que se deixão

aponderação de V. Illm.a, por cujas razões q.e não expende

(attendendo a q.e V. Illm.a não pode acomodar Donatoz, e escravos da Terra S.ta, q.e são precizos p.a ajuntar az esmollas, e ser m. gr.de a q.e o supp.e recebe de V. Illm.a em os sustentar) comsultou o supp.e com V. Illm.a se seria comven.e fazer huâ Caza, em q.e o supp.e; Donatos, e escravoz da Terra S.ta asesticem da mesma sorte q.e ha na B.a, S. Paulo, Ouro Pretto, Sabará, e outras p.es com aquella destinção e ordem, que não parecesse de sicullares ao q.e V. Illm.a assentio aprovando este disignio o q.e tambem aprovarão os prelladoz, e deffinitorio desta Prov.a como testificarão p.a cujo effeito ( sem prejuizo das esmollas annuaes dos Sanctos Lugares) tem o supp.e tirado alguàs esmollas particulares, q.6 juntas com a q.e V. Illm.a lhe faz m.ce tem dado principio a dita caza; e porque tem nott.a o supp.e q,e alguás pessoas querem introduzir q.e o supp.e faz hum comv.°, ou Hospicio com Igreja, e mais formalid.e de Comv.°, o q.e tudo he falço como se vê pela dispozição da dita Caza, q. não tem mais q.e quatro braças de testada com oz seos fundos necessarios como qualquer caza desta Cid.e sem sinaes de Cappella, ou Igreja, como tudo V. Illm.a sabe, e não ser necessr.° aos esmoleros da Terra S.ta terem Comv.°s ou Hospicios, e só huà mera caza, que baste p.a comado do supp.e, e das pessoas q.e andão nosseo menisterio «P. a V. Illm.a seja servido declarar por seo desp.° a verdade do q.e alega p.a que se venha no conhecim,° do fim com q.e se faz a dita caza. E. R. M. «Desp.°» Declaramos, que vendo a necesid.e que ha de huà caza p.a se recolherem Donattoz, e escravoz da Terra S.ta, quizemoz que se lhe fizese por baicho das cazas da nossa rezidencia, e não se consseguindo, votamos em q.e se fabricasse no lugar em q.e se anda ficando na forma, q.e vimos em S. Paulo, Saberá, e Villa Rica, a vista, e face dos Snr.es Govern.es por serem cazas meram.te secullares sem aparencia, ou modo de Hospicios, e cazas religiozas nem nos haviamoz de conssentir em outra cousa q.e fosse contra as ordenz de S. Mag.e q.e D.s g.e, mayorm.te estando o supp.e asistente em nossa caza, e comcorrendonoz p.a a q.e se fabrica. Rio de Janr.° onze de Março de mil settecentos trinta e quatro. Com a rubrica do Illustrissimo Bispo» Dom João por graça de Deos Rey de Portugal. e dos Algarves daquem, e dalem, mar, em Africa, Snr. de Guiné & Faço saber a voz Luiz Vahia Montr.°, Governador da Capitania do R.° de Janr.° q. por parte do P.e Fr. Laureano da Conceição Procur.°r da Provincia dos Capuchos dessa

Capp.nia se me reprezentou q.e elle tem religiozos

não tendo sof rim.° p.a verem da obediencia

das suas Provincias, e comv.°s, e outros por andarem nessas p.es tirando esmollas p.a Jeruzalem não tendo obediencia a Prellado algum dos comventos que nessas partes estão, devendo todos como religiozos procurar estarem nos Comventos dos Territorioz donde se achão, por serem todoz religiozos de S. Francisco, se fazem nessas Terras mais Lecenciozos procurando aonde lhes for mais comodo fazerem Hospicios, e a sy entroduzindosse a maneira de secullares em cazas lhe vão pondo o nome de Hospicioz para asi se entroduzirem comssumindo p.a isto muitas vezes parte das esmollas que tirão, e devem ser remetidas p.a Jeruzalem, e outros consomem na sua rezidencia na qual estão absolutos, sem que o Provincial, ou Guardiaens conheção delles, ao q.e eu devia acudir determinando q.e de nenhuá maneira hajão Hospicios de Religiozos algús de Jeruzalem, e que estes devem ser obrigados a viver nos claustros dos Comventos p.a delles fazerem az suas deligenciaz, e estar a obediencia dos prelados daquella Provincia e dos Comventos do Torritorio em q.e se acharem; pedindome que asim o mandace executar: Me pareceo ordenarvos q.e de nenhú modo conssintaes, l que religiozos alguns da ordem de Sam Fran. de qualq.r Provincia que sejão nas Terras em que houver comvento da mesma ordem, tenhão Hospicio, ou cazas em q. morem ainda os Procuradores da Terra Sancta q.6 com Provizão minha tem Licença para pedir, mas se recolhão nos Comventos, e estejão debaicho da dessiplina regullar, e com obediencia ao Prellado do Comv.t° o qual lhe dará as licenças necessarias para hirem tirar as esmollas. El-Rey nosso Senhor o mandou por Antonio Roiz da Costa do Seo Conselho, e o Doutor Jozé de Carvalho Abreo consselheiros do consselho Ultr.° e se passou por duas vias, João Tavares a fes em lx.a occidental, a vinte de Fever.° de mil settecentos, e trinta. o Secretario Andre Lopes de Lavre a fez escrever. «Antonio Roiz da Costa, Jozé de Carvalho Abreo». A qual foi lida, e a real ordem in. . . . para que a vista de todos os documentos votacem se podia, ou devia premetir a continuação da dita obra e sendo esta muito ponderada pelos ditoz Ministroz, e Padres, pareceo uniformem.1 6 a todos que em observancia da real ordem com que se achava o d.° G.r, e Cap.m Gen.1 não devia nem podia permitir que o d.° Fr. M.el de S. Ant.° assestisse, e tivesse caza fora do Comvento, porem atendendo a se acharem postos os Vigam.°s e que se seguiria gr.de dano de se não reparar a caza, ou obra q.e se acha feita, se lhe permitisse a cobrisse e se lhe desse o tempo de seis mezes, p.a dentro delles vender a d.a propried.e e que não possa fazer mais obra alguma do que polia de telha de levadio p.a se não arruinarem os materiaes, e como assim se assentou se fez este termo, que comigo Secret.° do Gov.n° assinarão. Rio de Janr.° dezaseis de Março de mil settecentos, trinta e quatro. — Gomes Fr.e de Andrada.Agostinho Pacheco Telles. Simão Marq.z. -Fran.'° da Sylva Castro.—Ber°"U de Siq.rtt Cordouil.Jozé Ferr.° da Fonte.

Esta pettição se entregou ao supp.e o P. Fr. Manoel de S. Ant.° por ordem vocal do Sr. Gn.1 em 18 de Março de 1734.

(*) Sendo convocados a Caza, em que rezide o Gov.r, e Cap.m Gn.l desta Cap.nia Gomes Freire de Andr.a e M.e de Campo Manoel de Freitas da Fonseca, o D.r Ouv.r g.l desta Cap.nia Agostinho Pacheco Telles, o D.r Juiz de fora Matheus Franco Pr.a, e o Prov.r da faz.a R.l B.nt6U de Siqueira Cordovil, e estando todos prez.tei lhes propoz o mesmo Gov.r, e Cap.m Gn.l hum requerim.t° assinado por alguns dos homens de negocio desta praça, q. costumaõ receber efeitos dos moradores de Angola, e Benguela por comissaõ fazendolhes remessa do procedido delles, em fazendas, dinhr.°, e pessas de oure, e prata, q. lhes pedem seos constituintes, pedindo-se-lhes declarasse se podiaõ fazer as d.as remessas, cujo requerim.t° foi lido na prez.a de todos os d.°s Menistros, como tambem a le}r do pr.° de Julho de mil, e settec.tos, e trinta, q. prohibe o negocio p.a a Costa da mina, e da de Africa, e a ordem de S. Mg.e de dezasete de Outr.° de mil, settecentos trinta, e tres, que declára se naõ entende a d.a ley com os portos de Angola, p.a q. a vista de tudo votassem se devia permittir q.e os d.°s homens de negocio fizesem remessa a seos constituintes das faz.as, dinhr.1t, e pessas de prata e ouro, q. lhes pediaõ em retorno dos seos efeitos

1.*) N° °riginal existe a seguinte nota : — Xaõ teve efeito este prin6ipio de termo. e vay a f. 6 v.

« AnteriorContinuar »