Os sentidos do lulismo: Reforma gradual e pacto conservador

Capa
Companhia das Letras, 28 de ago de 2012 - 280 páginas
0 Resenhas
Em ensaio muito aguardado, o cientista político e ex-porta-voz do governo Lula André Singer analisa o fenômeno eleitoral mais importante das últimas décadas e suas consequências na política brasileira. Em novembro de 2009, a prestigiosa revista Novos Estudos, do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), publicou um artigo de André Singer que já se tornou um marco da ciência política brasileira. Escrito durante o auge da popularidade desfrutada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, "Raízes sociais e ideológicas do lulismo" analisava o grande realinhamento eleitoral ocorrido no país durante o pleito de 2006. O subproletariado - isto é, a massa de dezenas de milhões de pessoas excluídas das relações de consumo e trabalho, e que sempre havia se mantido distante da ameaça de "desordem" representada pela esquerda - aderiu em bloco à vitoriosa candidatura à reeleição. Ao mesmo tempo, a classe média tradicional se afastou de Lula e do PT após as denúncias de corrupção que originaram o caso do "mensalão". Invertia-se, desse modo, a trajetória eleitoral do partido e de seu principal líder, até então apoiados majoritariamente pelos eleitores urbanos e pelos estratos sociais de maior renda e instrução. Neste ensaio inédito, muito aguardado pelos observadores e atores da política nacional e que cristaliza suas reflexões sobre o tema, o autor explica como a manutenção da estabilidade econômica e as ações distributivas patrocinadas pelo Estado estão na raiz do massivo apoio das classes populares a Lula - e, a partir de 2010, a sua pupila Dilma Rousseff. Grande conhecedor dos bastidores do PT e do primeiro governo Lula, Singer realiza uma aguda radiografia das relações de classe e poder no Brasil.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Sobre o autor (2012)

Nasceu em São Paulo, em 1958. Graduou-se em ciências sociais e jornalismo pela USP, onde realizou mestrado e doutorado em ciência política. Trabalhou na Folha de S.Paulo (1986-2001) e foi porta-voz e secretário de imprensa da Presidência da República (2003-07). É professor do departamento de ciência política da USP e autor de Esquerda e direita no eleitorado brasileiro (2000) e O PT (2001).

Informações bibliográficas