Argonautas do pacífico ocidental – Introdução e Capítulo 1

Capa
Ubu Editora LTDA - ME, 11 de out. de 2018 - 53 páginas
Introdução e capítulo 1 de Argonautas do Pacífico Ocidental. Tema, método e objetivo desta pesquisa A região e os habitantes do distrito do Kula. Publicado em 1922, o clássico Argonautas do Pacífico Ocidental, de Malinowski, foi uma etnografia pioneira, definindo boa parte dos parâmetros de pesquisa vigentes até hoje. É a primeira vez que um antropólogo, com repertório teórico e instrumentos metodológicos, vive entre uma população por longo período, aprendendo sua língua e compartilhando seu cotidiano, realizando o que se chama de "observação participante". Com Argonautas, desfaz-se definitivamente a visão das sociedades tribais como fósseis vivos do passado, peças de museu, com crenças e costumes irracionais e desconexos. Malinowski descreve como os habitantes das ilhas Trobriand dão sentido ao mundo, "do ponto de vista nativo", e mostra a vivacidade e sofisticação dessa cultura.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Conteúdo

Seção 1
Seção 2
Seção 3
Seção 4
Seção 5
Seção 6
Seção 7
Seção 8

Outras edições - Visualizar todos

Sobre o autor (2018)

Antropólogo considerado um dos fundadores da antropologia social. Tendo obtido um doutorado em Física e Matemática pela Universidade da Cracóvia, em 1910 abadonou as ciências exatas e foi para a London School of Economics, onde travou relações com os maiores antropólogos da época, principalmente com Charles Gabriel Seligman e Edvard Westermarck, que prefaciou seu primeiro livro, The family among the Australian aborigines (1913). Malinowski também foi um dos expoentes do funcionalismo, atuando, inclusive, como mentor da primeira geração de antropólogos funcionalistas britânicos. Suas grandes influências incluem James Frazer, principalmente sua obra The Golden Bough, e Ernst Mach. Os trabalhos de Malinowski sobre a vida sexual e a ideia de família de aborígenes da Melanésia, escritos em uma época ainda marcada pelo puritanismo, tornaram-se suas obras mais populares, e seu livro Argonautas do pacífico ocidental, de 1922, procedeu uma verdadeira revolução na literatura antropológica, carregando em si uma nova visão do homem e um novo modo de compreender o comportamento humano. Faleceu aos 58 anos, em 1942, em New Haven, Connecticut.

Informações bibliográficas