Sábios fariseus

Capa
Edições Loyola, 2001 - 239 páginas
1 Resenha
Os fariseus estiveram no coração de Israel por quatro séculos. OS cristãos os conhecem somente pelas polêmicas e críticas relatadas nos evangelhos, que não são fonte confiável para o conhecimento do farisianismo, reflexo de querelas tardias entre cristãos e judeus. Carpinteiros, ferreiros, sapateiros, pescadores, policiais, pedreiros, tecelões, comerciantes etc., os fariseus tiveram uma atuação histórica decisiva no destino do povo judeu. O Judaísmo atual é fruto do farisianismo. REunidos em pequenas comunidades, respeitavam as prescrições dos mestres e eram considerados modelos de piedade religiosa, dedicados à “Tora” e sua interpretação. Escrito por um cristão e um judeu, o livro “Sábios Fariseus” repara uma injustiça milenar ao apresentar a história do farisianismo e a vida de quase uma centena de fariseus, destacando o fundamento espiritual perene de seus ensinamentos. Os fariseus aplainaram os caminhos do Senhor, prepararam a terra para a semente do cristianismo, educaram seus fundadores, interessaram-se por essa nova comunidade, marcaram suas diferenças e assumiram as consequências de sua alteridade. PAcifistas, sabiam que o destino histórico dos judeus não seria cumprido pela espada, mas por uma dedicação constante às verdades da “Torá”. SUas vidas, relatadas neste livro, pertencem à meta-histórica, realidade sublime, sempre atual.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Os fariseus estiveram no coração de Israel por quatro séculos. Os cristãos os conhecem somente pelas polêmicas e críticas relatadas nos evangelhos, que não são fonte fiável para o conhecimento do farisianismo, reflexos de querelas tardias entre cristãos e judeus.
Carpinteiros, ferreiros, sapateiros, pescadores, policiais, pedreiros, tecelões, comerciante etc., os fariseus tiveram atuação histórica decisiva no destino do povo judeu. O judaísmo atual é fruto dos fariseus. Reunidos em pequenas comunidades, respeitavam as prescrições dos mestres e eram considerados modelos de piedade religiosa, dedicados à Torá e sua interpretação.
Escrito por um cristão e um judeu (José Manuel Schor Malca), o livro repara uma injustiça milenar ao apresentar a história do farisianismo e a vida de uma centena de fariseus, destacando o fundamento espiritual perene de seus ensinamentos.
Os fariseus aplainaram os caminhos do Senhor, prepararam a terra para a semente do cristianismo, educaram seus fundadores, interessaram-se por essa nova comunidade, marcaram suas diferenças e assumiram as conseqüências de sua alteridade. Pacifistas, sabiam que o destino histórico dos judeus não seria cumprido pela espada, mas por uma dedicação constante às verdades da Tora. Suas vidas, relatadas neste livro, pertencem à meta-histórica, realidade sublime, sempre atual.
Conhecer e refletir sobre a vida de Raban Gamliel, Raban Shimon ben Gamliel, Hilel, José de Arimatéia, Rabi Akiva, Rabi Meir, Shimon Hatzadik, Avtalion, Raban Iochanan ben Zacai, Shamai, Iehoshua ben Sirac, Shimon ben Yochai, Chananiá ben Dossa, Rabi Shimon ben Elazar, Nicodemos, Elisha ben Abuiá, Rabi Iehudá Hanassí, Rabi Nehorai, Paulo de Tarso e milhares de outros fariseus, pode representar a cura para uma cegueira ancestral e um caminho, sempre novo e misterioso, para chegar à visão de Invisível, à escuta do Inaudível e ao conhecimento do Incognoscível.
Esse livro foi traduzido para o francês e para o italiano. Foi publicado na França pelas Edições Lethielleux e na Itália pela Ancora Editrici.
 

Informações bibliográficas