Cartas do Solitario: estudos sobre reforma administrativa, ensino religioso, africanos livres, trafico de escravos, liberdade da cabotagem, abertura do Amazonas, communicações com os Estados Unidos, etc

Capa
Typ. da Actualidade, 1863 - 433 páginas
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Passagens mais conhecidas

Página 56 - Nesta pequena casa Lusitana : De Africa tem maritimos assentos, He na Asia mais que todas soberana, Na quarta parte nova os campos ara, E, se mais mundo houvera, lá chegara.
Página 37 - ... as dificuldades, isto é, o professor ilustrado e aplicado? É para esse ponto primordial, é para esta base, que deve convergir a atenção dos governos e dos homens que se interessam pelo progresso do país. Se querem fazer alguma cousa séria, comecem por aí. Mas, ao contrário, sob o pretexto de animar o ensino público, é moda andar examinando às carreiras meninos de escola e estudantes de latim. Remédio certamente heróico!
Página 42 - Digam o que quiserem os homens de espírito fraco, os dissimuladores. os cortesãos : eu, o desconhecido, o solitário, eu digo hoje, como sempre, que tudo isso se deve, em grande parte, ao Governo central. — Como ? porque ? exclama a turba enorme dos mentirosos oficiais. — Como? eu me explico. Aquele que...
Página 414 - Estou convencido de que, mesmo sob o ponto de vista político, as relações com os Estados Unidos da América do Norte são aquelas que mais convêm ao Brasil. Devemos cultivá-las e desenvolvê-las, sobretudo porque, depois da presente luta, luta gloriosa, porque é a da liberdade contra a servidão, do progresso contra a barbaria, está reservado à grande república de Washington um papel incalculável nos destinos do mundo.
Página 139 - Não é um japonez que ha de civilisar o império do Japão. No governo do Brazil deviam assentar-se individuos com uma imaginação cosmopolita de Goethe, e uma cabeça universal de Humboldt. Si os reis absolutos, como Pedro-Grande das Russias, precisavam de percorrer as terras, estudar com o estrangeiro, e, por ventura, aprender com a adversidade eo exilio, o que não deveriam ter visto e observado os ministros, verdadeiros reis nos paizes de governo representativo? Ora, meu amigo, é interessante...
Página 37 - ... profundar a questão; em vez de estudar os exemplos da Alemanha, da Inglaterra e dos Estados Unidos; em vez de se esforçarem no governo, e fora dele, como filantropos, como homens sinceros e crentes, pela reforma dos estudos, eles consomem o seu tempo queixando-se inutilmente da ignorância e depravação geral dos costumes dos nossos mancebos. Ah! isto é bem verdade; mas o mal vem de baixo, está na raiz. Não será criando uma universidade na Corte, centralizando nela o ensino superior, como...
Página 294 - ... dos reis, nem o orgulho das dinastias, nem a cegueira da plebe, nem o egoísmo das oligarquias, nem o fanatismo dos padres. A política democrata, a política do mundo, qual existe na cabeça de Bright e de Cobden, é combater o mal e favorecer o triunfo do bem. Os eixos do mundo foram de ferro; são hoje de raios de luz. A terra era um campo de batalha: é hoje o congresso dos povos livres. Liberdade! fraternidade! eis a palavra, meu Amigo, que redemoinha...
Página 380 - E' tempo, pois, e mais que tempo, que acabemos com um trafico tão barbaro e carniceiro; é tempo tambem que vamos acabando gradualmente até os ultimos vestigios da escravidão entre nós, para que venhamos a formar em poucas gerações uma nação homogenea, sem o que nunca seremos verdadeiramente livres, respeitaveis e felizes. E...
Página 37 - Se há dinheiro para organizar uma universidade, sem extinguir as faculdades das províncias, façam-no; mas aproveitem a oportunidade para diminuir o pessoal existente e aumentar os ordenados. Fiquem certos, porém, de que isso em todo o caso não extingue o vício. "O ato adicional descentralizou a instrução primária e secundária; mas isto não é embaraço para uma reforma séria como a indicada acima, desde que o governo imperial abandone os seus hábitos herdados de...
Página 295 - Um povo reduzido em número, raro em artistas, em agricultores, em operários, em construtores, em navegantes., habita as margens do Amazonas. Si esse povo se comunicasse diretamente com o europeu e com o...

Informações bibliográficas