Odisseia

Capa
Ubu Editora LTDA - ME, 27 de nov. de 2018 - 640 páginas
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
A Odisseia traça a volta de Odisseu, herói da Guerra de Troia, à sua terra natal, depois de vinte anos e o fim do combate. A narrativa se divide em três tempos principais: a situação de Penélope e de seu filho, Telêmaco, em Ítaca e a viagem de Telêmaco; a narração das aventuras de Odisseu (a estadia com Calipso, o canto das sereias, o encontro com o ciclope e a passagem pelo reino dos mortos); e a chegada de Odisseu em Ítaca, com a morte dos pretendentes. A edição da Ubu conta com a tradução e uma introdução do livre-docente de língua e literatura grega Christian Werner; uma apresentação do homerista americano Richard Martin; um posfácio do escritor e professor de filosofia Luiz Alfredo Garcia-Roza; o texto "O silêncio das sereias", de Franz Kafka e um poema de Konstantínos Kaváfis, como apêndices; e um glossário de nomes próprios. Sobre o diferencial da tradução de Werner, Guilherme Gontijo Flores disse em um artigo para a Folha de S.Paulo: "A tradução ainda preza por dois fatores importantíssimos da poética homérica, até hoje pouco explorados na maioria das traduções: as repetições de expressões e estruturas, que marcam a oralidade original do texto em suas fórmulas, e os efeitos que decorrem da sintaxe do texto, sobretudo nos casos de 'enjambement' (quebras de verso) e dos posicionamentos fixos de certas estruturas". Com textos de Christian Werner, Richard Martin, Luiz Alfredo Garcia-Roza, Franz Kafka e Konstantínos Kaváfis.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Outras edições - Ver todos

Sobre o autor (2018)

Homero
Poeta ao qual se atribuíram os poemas épicos Ilíada e Odisseia. É pouco provável que um poeta com esse nome tenha existido, e quase nada sabemos acerca do uso da escrita na Grécia do século VIII aC. Alguns acreditam na possibilidade de que a Odisseia nem tenha o mesmo autor que a Ilíada, mas sim um que, inspirado no autor da Ilíada, teria construído um poema épico nos mesmos moldes. Fato é que, ainda no século VI aC, "Homero", na Grécia, era o nome associado a um gênero poético, o épico, e a ele também eram atribuídos outros poemas. Uma história que se conta sobre Homero é a de que ele era cego, assim como Demódoco, personagem da Odisseia. Para tornar vivo o passado heroico, o poeta, se abençoado pelas Musas, não precisaria ter visto nada do que conta.

Informações bibliográficas