Historia de Portugal, Volume 1

Capa
na impressão regia, 1828
1 Resenha
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

essa e uma historia lega
l

Páginas selecionadas

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Passagens mais conhecidas

Página 299 - ... transformado em um dos mais sangrentos tiranos, que a fertilidade da imaginação humana tem •descrito, ao mesmo tempo que as contas da história o apontavam como preclaro administrador dos interesses públicos ; que as próprias crónicas o representavam como austero executor da sua predilecta máxima — «Que o rei que passa um dia sem fazer cousa, com que claramente contribua para o bem dos seus vassalos, não merece esse nome» — , e que as recordações populares comemoravam a sua morte,...
Página 182 - ... e fomentava os seus bulicios , esperando chegar a ser Regente , ou talvez Rei de Portugal. Mas este projecto ambicioso fez grande damno a EIRei . sem aproveitar a D. Pedro, como de ordinario acontece aos perturbadores do socego público. (1) Conquit- Vendo pois EIRei os Grandes tas, í»e divididos em parcialidades , ea si 5...
Página 330 - Castelia approvar estes dois artigos, porque sabia , que os Portuguezes se davão tão mal com os seus alliados , e hospedes , que acceitarião quaesquer condições, e partidos. (*) EIRei de Portugal sem mais...
Página iii - Ecommendou-se-mc a traducção desta •obra , eo supprimento do que faltava, para se completar o' Reinado do Senhor Rei D. José...
Página 160 - Infantaria em soccorro d^ElFei de Castella, a qual se distinguio gloriosamente na famosa batalha das ]Navas de Tolosa; e dar o Castello de Aviz aos Cavalleiros desta Ordem , que dalli tomou o nome , polo que o seu Gran-Mestre D. Fernando Eanes, deixando Évora, se veyo estabelecer naquelle Castello.
Página 122 - EIRei consente em fazer tal , he indigno da vida , nem reinará entre nos , ou sobre nos , posto que Rei seja. Approvou D. Affonso Henriques esta declaração , e accrescentou , que seria indigno de reinar qualquer seu descendente , que fizesse coisa semelhante ; o que os povos receberão com applauso , e assim se levantárão as Cortes.
Página iii - José ; por que nella se acha unida a brevidade com a sufficiencia de noticias necessarias , a quem não pode occupar-se na lição de outras mais dilatadas , nem quer ficar com a leve tintura , que só se pode tirar dos antigos compendios.
Página 256 - ... grande commercio se faria com as frequentes visitas das armadas dos Cruzados , que de toda a Europa passavão á Terra Santa, e tocavão nos portos de Portugal ; e da correspondencia , que daqui nasceria com as Ilhas do Archipelago , e com os portos da Grecia, Syria, e Egypto. Destes...
Página 365 - Regras em hum longo rnzoamento mostrou , como o Reino estava vago , e que os Portuguezes tinhão direito de eleger Rei a seu arbitrio , e concluiu que ninguem era mais digno da Coroa , que o Mestre de Aviz.
Página 181 - Doaaiurcos , que viessem fundar casa naquella seus clamores fundados , como vimos , em alguns verdores da mocidade do Infante D. Fernando. D. Pedro de Portugal , mais maduro em annos , e que tinha visto o mundo , entrava nos conventiculos dos descontentes , Cidade.

Informações bibliográficas