Animais interiores - Voadores

Capa
Ed. Loyola, 2003
2 Resenhas
Nossa animalidade não deve ser esquecida, recusada, extirpada, controlada ou domesticada. Na mística judeu-cristã, nossa animalidade deve ser salva! O relacionamento entre humanidade e animalidade não é antagônico, excludente. Cada pessoa é chamada a conhecer, reconhecer, nomear e levar a termo os animais que a habitam. E caminhar fraternalmente com seus irmãos animais. Como Noé, pode-se nomear e salvar - em nossa arca interior - todos os animais. Nenhum deve ficar de fora, vitimado do dilúvio da inconsciência. Cada um tem seu papel sagrado e revelador da identidade humana. O homem tem uma vocação criadora. Ele só se torna si mesmo criando-se. Vivendo para ser. A perfeição do Humano é a sua perfectibilidade. Faz parte da evolução pessoal encontrar e entender, em cada um de nós, a mensagem e o desafio de animais interiores como a rã, a pomba, o cachorro, o corvo, a cobra, a raposa, a perdiz, o falcão, o lobo... Este livro ilustrado apresenta a biologia, a simbologia e a ecologia espiritual de cerca de quarenta voadores bíblicos, preciosos animais interiores em cada um de nós. Eles ensinam ao homem o segredo dos segredos - traçar seu próprio itinerário, sem se comparar a ninguém, como um amante do vôo e da liberdade. Quem tiver a curiosidade e o desejo (mais do que coragem) de seguir essa trilha poética de seus animais interiores penetrará numa relação terapêutica, num novo ambiente, numa ecologia espiritual paradisíaca.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

UMA APRESENTAÇÃO
Todos nós somos pessoas sui-generis, ou seja, cada um tem características próprias na sua personalidade. Contudo, o autor deste livro, Evaristo Eduardo de Miranda, não é
simplesmente sui-generis, mas tem qualidades que somente poucas pessoas neste planeta possuem. Raríssimos seres humanos possuem o dom, certamente dado por Deus, de perceber com empatia, prudência e competência, os significados religiosos de nossas raízes culturais. Em outras palavras, foi dado ao nosso amigo Evaristo o dom de compreender o sentido íntimo e essencial das mensagens bíblicas que Deus nos enviou, muitas vezes de modo sutil, mas sempre repletas de ensinamentos. É preciso que se diga: as mensagens bíblicas, às vezes, estão escritas de um modo que não condiz com a realidade cientifica hoje conhecida, como ficou claro, por exemplo, no episodio Galileu. Neste livro, Evaristo Eduardo de Miranda menciona também considerações zoológicas feitas na Bíblia que não correspondem ao comportamento real dos animais citados. Contudo, isso não diminuiu a importância suprema do livro sagrado, fonte de lições morais essenciais para nós. Devemos nos lembrar que Cristo freqüentemente falava por parábolas, contando propositadamente estórias imaginadas por Ele, mas com significados que são para nós ensinamentos valiosos. Este livro comenta, inúmeras vezes, mensagens bíblicas e outras, também de caráter religioso, escritas sobretudo na Antigüidade e às vezes em época mais recentes, onde os animais e sua vida figuram como símbolos e também como atores.
Como autor do livro “O comportamento animal e as origens do comportamento humano”, foi para mim muito interessante ler e conhecer melhor o que os nossos precursores religiosos e científicos diziam sobre o assunto, comparando a humanidade com a animalidade. Há neste trabalho, “Animais Interiores”, centenas de passagens onde é realçado o valor simbólico e até didático dos animais e de suas ações.
O estilo direto mas ao mesmo tempo profundo e freqüentemente poético e alegre de Evaristo Eduardo de Miranda, torna a leitura deste livro muito atraente. Os aspectos teológicos e científicos abordados, revelam uma cultura das mais sólidas, sobre os fundamentos hebraicos e cristãos de nossa civilização.
Parabéns, amigo Evaristo.
PAULO NOGUEIRA-NETO
Professor Emérito de Ecologia Geral
do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo
 

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

fjg

Informações bibliográficas