Imagens da página
PDF

,a

O C Og O O g O .a _ Q a o O

[merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][merged small][graphic][merged small][merged small]

3210237'

QBRÁS

LUIZ DE CAMÕES

NO QUAL SE RELATAM

ALGUNS FACTOS NÃO CONHECIDOS DA SUA VIDA

COM RLGUMS COMPOSIÇÚES INEDITIS DO POETA

PEI."

VISCONDE DE JUROMENHA

VOLUME I

LISBOA
IMPRENSA NAmuNAL

4860

Á_ NAÇÃO PonTucuEzA

Adspicite o ciieê . . t _ v . . . . _ . . . . . . ..
Hie rostrum panxil maxima facta patrnm

Exxms,

Nunca escriptor algum portuguez se apresentou com tanto direito ao reconhecimento e amor nacional como aquelle que na fórma a mais sublime enfeixou todos os trophéus da gloria › portugueza, para lhe levantar o mais colossal monumento. Inspirado por esse livro divino, electrisado por esse evangelho de patriotismo que dimanou d'aquella alma tão portugueza, eu aprendi a amar a minha patria;_ e aqui protesto com toda a energia que pode prestar a verdade a uma asserção, que não me accusa a consciencia'de me ter jamais desviado de um desinteressado culto. E que rasões não temos sobre todos os outros povos da terra para amarmos este nosso querido Portugal? Alimenta-nos uma terra feracissima e vecejante, cobre-nos um céu risonho, um sol vivificante nos aquece e agita a nossa imaginação, e um passado glorioso, que, por excessivamente sublime, quer transpor os limites da verosimilhança, satisfaz o nosso orgulho nacional. Predilectos da Providencia Divina, quantas graças lhe deveriamos sempre dar por tão multiplicados dons e benèficios, e qual deveria ter sido o nosso empenho em nos amarmos como irmãos os filhos da mesma terra!

[graphic]

No meio das rajadas politicas que teem requeimado as esperanças da patria e lhe teem exhaurido a seiva, separado inteiramente da vida publica, mas devorando-me ao mesmo tempo o desejo de me não tornar inteiramente um cidadão inutil e esteril na sociedade onde nasci, procurei como allivio, ou antes emprego muito agradavel, fazer a autopsia-d,esse coração tão portuguez, que ahi exponho ao publico tão palpitante ainda de patriotismo. Possa sempre aquelle fogo sagrado do amor da patria que o abrasou em vida, inflammar os meus prezados conterraneos a acções tão nobres e gene

' rosas como aquellas das quaes elle foi tão elevado pregoeiro.

Emquanto a mim, entrado no outono da vida, alquebrado por alfecções physicas e moraes, tenho visto caír uma a uma todas as folhas da esperança: bate-me â porta o inverno, que sepulta em seus regclos todas as illusões da vida; mas no curto horisonte que já se antolha no occaso da existencia, ainda um raio consolador e luminoso vem visitar e esclarecer as trevas que enlutam o coração que ainda bate pela patria, e trazer ahi o derradeiro e suave gose de poder baixar a sepultura com a consciencia dc haver consagrado ao meu paiz, com este trabalho tão nacional, o sincero tributo do meu aflectueso amor e dedicação, e poder, guardadas as proporções devidas, repetir com o nosso Poeta: `

Eu d”esta gloria só fico contente
Que a minha terra amei e a minha gente.

« AnteriorContinuar »