Waaal: o dicionário da corte de Paulo Francis

Capa
Companhia das Letras, 1996 - 291 páginas
O MELHOR DOS DIÁRIOS DA CORTE -1977-1996Paulo Francis por Paulo Francis: "Minha cabeça é minha matéria-prima, fábrica e produto. Fico satisfeito que alguém me leia. É um privilégio duplo. Escrevo o que quero e ainda sou pago para isso. Como Flaubert, acredito que se pode avaliar um homem pelo número de inimigos que faz e a importância de seu trabalho pelo que provoca de oposição. Arma virumque cano, ou, como parafraseou Camões, 'As armas e os varões assinalados'... Enquanto der.""Dizem que ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultas. Critico-as. É tão incomum isso na nossa imprensa que as pessoas acham que é ofensa. Crítica não é raiva. É crítica. Às vezes é estúpida. O leitor que julgue. Acho que quem ofende os outros e os leitores é o jornalismo em cima do muro, que não quer contestar coisa alguma. Meu tom às vezes é sarcástico. Pode ser desagradável. Mas é, insisto, uma forma de respeito, ou, até, se quiserem, a irritação do amante rejeitado."

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Seção 1
7
Seção 2
11
Seção 3
25
Seção 4
41
Seção 5
71
Seção 6
83
Seção 7
97
Seção 8
113
Seção 15
193
Seção 16
199
Seção 17
205
Seção 18
223
Seção 19
225
Seção 20
239
Seção 21
246
Seção 22
259

Seção 9
121
Seção 10
135
Seção 11
141
Seção 12
149
Seção 13
157
Seção 14
169
Seção 23
269
Seção 24
271
Seção 25
277
Seção 26
289
Direitos autorais

Informações bibliográficas