Lusitania: revista de estudos portugueses, Volume 2

Capa
Carolina Michaëlis de Vasconcellos
1924
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
Includes section "Bibliografia, musica e artes plásticas."
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Ver todos

Passagens mais conhecidas

Página 301 - Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te...
Página 156 - ... ser contente. Errei todo o discurso de meus anos; dei causa a que a Fortuna castigasse as minhas mal fundadas esperanças.
Página 113 - On goûte une douceur extrême à réduire par cent hommages le cœur d'une jeune beauté à voir de jour en jour les petits progrès qu'on y fait à combattre par des transports, par des larmes et des soupirs, l'innocente pudeur d'une âme qui a peine à rendre les armes, à forcer pied à pied toutes les petites résistances qu'elle nous oppose, à vaincre les scrupules dont elle se fait un honneur et la mener doucement où nous avons envie de la faire venir.
Página 246 - Que a alma é tábua rasa Que com a escrita doutrina Celeste tanto imagina, Que voa da própria casa E sobe à pátria divina.
Página 301 - Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no céu eternamente, E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo ('), onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E, se vires que pode merecer-te Alguma...
Página 149 - De esperança em esperança E de desejo em desejo; Mas, em vida tão escassa, Que esperança será forte? Fraqueza da humana sorte: Que quanto da vida passa Está recitando a morte! Mas deixar nesta espessura O canto da mocidade! Não cuide a gente futura Que será obra da idade O que é força da ventura...
Página 302 - Ondas — dizia — antes que Amor me mate, Tornai-me a minha Ninfa, que tão cedo Me fizestes à morte estar sujeita ! — Ninguém responde ; o mar de longe bate ; Move-se brandamente o arvoredo ; Leva-lhe o vento a voz, que ao vento deita...
Página 237 - Por ver o Etna eo Nilo Fui a Sicília, ao Egipto ea outras partes, Só por ver e escrever em alto estilo Da natural ciência em muitas artes.
Página 263 - Manifesto é que estes descobrimentos de costas, ilhas e terras firmes não se fizeram indo a acertar; mas partiam os nossos mareantes mui ensinados e providos de instrumentos e regras de astrologia e geografia, que são as cousas de que os cosmógrafos hão de andar apercebidos. Levavam cartas mui particularmente rumadas, e não já as que os antigos usavam, que não tinham mais figurados que doze ventos, e navegavam sem agulha».
Página 237 - Ficará de meus feitos sublimados.» É verdade; mas esse mando e glória Lograste-o muito tempo? Os conjurados Bruto e...

Informações bibliográficas