Como Elaborar Projetos de Pesquisa: Linguagem E Método

Capa
FGV Editora, 2007 - 139 páginas
5 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Avaliações de usuários

5 estrelas
5
4 estrelas
0
3 estrelas
0
2 estrelas
0
1 estrela
0

As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Nesta obra, Como elaborar projeto de pesquisa: linguagem e método, os autores – encabeçados por Roberto Karlmeyer-Mertens, doutor em Filosofia pela UERJ, Professor Adjunto na UniOeste-PR, Bacharel e Mestre em Filosofia – propõem uma abordagem da técnica da metodologia científica, voltada para projetos de pesquisa, de modo a auxiliar os alunos e pesquisadores na rotina da construção do pensamento científico.
Com formato didático, este livro, busca caracterizar em seu primeiro capítulo o método, bem como suas aplicações em busca da conservação e ampliação do conhecimento.
Os autores criticam a ideia de que “metodologia é apenas um conjunto de procedimentos técnicos, que visa, prescritivamente, a uniformização de padrões na execução e apresentação de produtos acadêmicos”, se opondo diametralmente a visão corrente de que a metodologia científica somente deve ser aplicada na produção acadêmica para publicação e exigem do aluno o uso dessa ferramenta ao fazer da universidade, em todos os seus aspectos.
Esta concepção mostra um apego à raiz etimológica das palavras método e metodologia: em sua origem grega, método significa o “caminho através do qual se faz”; assim, metodologia seria “o caminho através do qual se faz ciência”. Assim, o uso do método científico teria fim específico: fazer ciência.
No primeiro capítulo do livro, há uma clara demonstração – através de pesquisa documental sobre autores como Descartes, Barros & Lehfeld, Dalarosa, Cervo & Bervian e Lakato & Marconi – que a metodologia não se atem a procurar soluções, porém oferece a escolha dos meios de encontrá-las, orientando o processo que se deve seguir neste rumo.
Em sua segunda etapa, o livro passa a abordar o que seria a geração de conhecimento, onde o homem se apropria dos conhecimentos vigentes e, alterando-os e reconstruindo-os, utiliza-os nas relações com outros homem, com outras coisas, com a cultura vigente, com a sociedade, e na sua própria história, gerando um novo homem, renascido, capaz de alterar, compreender e interpretar e transformar o seu próprio mundo.
Os autores se preocupam, adicionalmente, em separar o conteúdo científico do senso comum, o saber empírico, alimentado não pela verdade, mas pelo provável. Sendo assim, o saber do senso comum não é válido como conhecimento científico, mas possivelmente como um ponto de partida para a reconstrução deste saber empírico como uma visão a ser observada através de métodos científicos válidos.
O conhecimento científico, por sua vez, deve ser objetivo, fático, analítico, específico, claro, distinto, universal, comunicável, público, verificável, metódico, sistemático, legal, explicativo e previsível. Somente caminhando por estes caminhos seria possível um método que abrangesse desde as ciências naturais e exatas, até as complexas ciências humanas. Os autores também apontam duas áreas que não possuem a exigência do modelo científico: a teológica, por sua natureza dogmática; e a filosofia, por buscar determinar o estatuto dos princípios fundamentais de todo o conhecimento.
No momento seguinte, os autores buscam mostrar as complexas relações entre metodologia e ciência. O autor busca conceituar a ciência como a construção de uma visão e não a simples catalogação e descrição do mundo. Assim, a ciência passa a buscar, junto a uma investigação racional direcionada à descoberta da verdade. Sendo assim, a ciência é o conhecimento – ou um sistema de conhecimentos – em si, enquanto a metodologia é a ferramenta usada neste intento de conhecer.
Investigando, também documentalmente, a relação entre a metodologia e pesquisa, os autores declaram que a premissa aristotélica de que o homem trilha seu caminho ao conhecimento por meio de suas dúvidas e incertezas. Sendo assim, a pesquisa assume também um papel educativo, solucionando os questionamentos teóricos ou práticos, e divulgando os seus resultados dentro de parâmetros
 

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Essa livro é de suma importância para que eles estão iniciando a vida acadêmica. Através deste é possível adquirir conhecimentos para a criação de diversos trabalhos cientificos.

Conteúdo

Seção 1
7
Seção 2
9
Seção 3
31
Seção 4
65
Seção 5
95
Seção 6
101
Seção 7
129
Direitos autorais

Outras edições - Ver todos

Informações bibliográficas