Obras completas de Luis de Camões, correctas e emendadas pelo cuidado e diligencia de J. V. Barreto Feio e J.G. Monteiro ...: Redondilhas &c. Sextinas. Elegias. Epistolas. Oitavas. Comedias. Cartas

Capa
José Victorino Barreto Feio, José Gomes Monteiro
Baudry, 1843
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Passagens mais conhecidas

Página 107 - Mas se esta vida, que agora de novo me dá, for para ma tornar a tomar, servindo-se della, não me fica mais que desejar, que poder acertar com este mote de vm, ao qual dei tres entendimentos, segundo as palavras delle podérão solTrer: se forem bons, he o mote de vm, se maos. são as glosas minhas.
Página 14 - Bem são rios estas águas, com que banho este papel; bem parece ser cruel variedade de mágoas e confusão de Babel. Como homem que, por exemplo dos transes em que se achou, despois que a guerra deixou, pelas paredes do templo suas armas pendurou: Assi...
Página 409 - ... que primeiro vos alimpeis como marmelo, e que ajunteis para hum canto da casa todos esses máos pensamentos; porque segundo andais mal avinhado, damnareis tudo aquillo que agora lançarem em vós.
Página 217 - O que de mi sentira nos dissesse. De puro amor o peito salteado; Não pedira então eu, que Amor me désse Do insano Trasilao o doudo estado, Mas que alli me dobrasse o entendimento, Por ter de tanto bem conhecimento. Mas por onde me leva a phantasia? Porqu' imagino em bem-aventuranças, Se tão longe a Fortuna me desvia, Qu'ihda me não consente as esperanças?
Página 13 - Babilónia, me achei, Onde sentado chorei As lembranças de Sião E quanto nela passei. Ali o rio corrente De meus olhos foi manado; E tudo bem comparado: Babilónia ao mal presente, Sião ao tempo passado. Ali lembranças contentes Na alma se representaram; E minhas cousas ausentes Se fizeram tão presentes Como se nunca passaram. Ali, depois de acordado, Co...
Página 133 - Madre, si me fuere, doquiera que vó, no lo quiero yo, que el Amor lo quiere. Aquel niño fiero hace que me muera por un marinero a ser marinera. El que todo puede, madre, no podrá, pues el alma va, que el cuerpo se quede. Con el por quien muero voy, porque no muera; que si es marinero, seré marinera.
Página 105 - São os pêra que nasci. Quando vejo este meu peito A perigos arriscados Inclinado, bem suspeito Que a cuidados sou sujeito. Mas porém a que cuidados?
Página 132 - Con él por que muero Voy, porque no muera; Que si es marinero, Seré marinera. Es tirana ley Del niño Señor, Que por un amor Se deseche un Rey. Pues desla manera Quiero irme, quiero Por un marinero Á ser marinera.
Página 16 - Como dirá, respondi, quem tão alheio está de si doce canto em terra alheia? Como poderá cantar quem em choro banha o peito ? Porque se quem trabalhar canta por menos cansar, eu só descansos enjeito.
Página 203 - Senhor das cousas todas, que fundou O Céu, a Terra, o fogo, o mar irado, Não do confuso caos, como cuidou A falsa teologia e povo escuro, Que nesta só verdade tanto errou; Não dos átomos leves de Epicuro; Não do fundo Oceano, como Tales, Mas só do pensamento casto 6 puro.

Informações bibliográficas