Obras, precedidas de um ensaio biographico, augmentadas com algumas composições ineditas do poeta pelo visconde de Juromenha, Volume 4

Capa
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Passagens mais conhecidas

Página 8 - De esperança em esperança E de desejo em desejo; Mas, em vida tão escassa, Que esperança será forte? Fraqueza da humana sorte: Que quanto da vida passa Está recitando a morte! Mas deixar nesta espessura O canto da mocidade! Não cuide a gente futura Que será obra da idade O que é força da ventura...
Página 9 - Por entre o espesso arvoredo; E de noite o temeroso, Cantando, refreia o medo. Canta o preso docemente, Os duros grilhões tocando; Canta o segador contente, E o trabalhador, cantando, O trabalho menos sente. Eu, que estas cousas senti Na alma, de mágoas tão cheia, (Como dirá, respondi, Quem alheio está de si Doce canto em terra alheia?
Página 112 - Después que Amor me formó Todo de amor, cual me veo, En las leyes, que me dio, El mirar me consintió, Y defendióme el deseo. .Mas el alma, como injusta. En viendo tal perfección, Dio al deseo ocasión: Y pues quebré ley tan justa, Justa fue mi perdición. Mostrándoseme el Amor Mas benigno que cruel, Sobre tirano traidor, De zelos de mi dolor, Quiso tomar parte en él.
Página 124 - Por un marinero A ser marinera. El que todo puede. Madre, no podrá, Pues el alma va, Que el cuerpo se quede. Con él por que muero Voy, porque no muera; Que si es marinero, Seré marinera.
Página 125 - Con él por que muero Voy, porque no muera; Que si es marinero, Seré marinera. Es tirana ley Del niño Señor, Que por un amor Se deseche un Rey. Pues desla manera Quiero irme, quiero Por un marinero Á ser marinera.
Página 421 - Terra bem-aventurada, se, por algum movimento, d'alma me fores mudada, minha pena seja dada a perpétuo esquecimento. A pena deste desterro, que eu mais desejo esculpida em pedra, ou em duro ferro, essa nunca seja ouvida, em castigo de meu erro. E se eu cantar quiser, em Babilónia sujeito, Hierusalém, sem te ver, a voz, quando a mover, se me congele no peito.
Página 119 - Pretidão de Amor, Tão doce a figura Que a neve lhe jura Que trocara a cor. Leda mansidão, Que o siso acompanha; Bem parece estranha, Mas bárbara não.
Página 114 - cuidado Poderme hacer satisfecho. Si fuera posible al hado Hacer no hecho lo hecho, Y futuro lo pasado. Si olvido pudiera haber, Fuera remedio sufrible: Mas ya que no puede ser. Para contento me hacer, Todo es poco lo posible.
Página 120 - Amor e seus danos Me fiz lavrador; Semeava amor E colhia enganos; Não vi, em meus anos, Homem que apanhasse O que semeasse. Vi terra florida De lindos abrolhos, Lindos para os olhos, Duros para a vida; Mas a res perdida Que tal erva pasce Em forte hora nasce. Com quanto perdi, Trabalhava em vão : Se semeei grão, Grande dor colhi. Amor nunca vi Que muito durasse Que não magoasse.
Página 16 - ... alma fez; e beato quem tomar seus pensamentos recentes, e em nascendo os afogar, por não virem a parar em vícios graves e urgentes. Quem com eles logo der na pedra do furor santo e, batendo, os desfizer na pedra, que veio a ser emfim cabeça do canto.

Informações bibliográficas