Obras poeticas de Claudio Manoel da Costa (Glauceste Saturnio)

Capa
H. Garnier, 1903
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Outras edições - Ver todos

Passagens mais conhecidas

Página 19 - Inspira-me o teu canto: Só tu a impulso tanto Todo o prazer me dás. Já a alma não suspira; Pois chega a escutar-te: De todo, ou já em parte Vai-se ausentando o mal.
Página 26 - É ter sempre o receio De que outro amado enleio Teu peito encontrará! Amante nos teus braços, Quem sabe, se outros laços ! . . . Mas quando é que tu viste Um triste Respirar ! «Por onde quer que gires, D'esta alma, que te adora, Ah! lembra-te pastora, Que já te soube amar.
Página 24 - Quantas memorias, quantas Agora despertando, Me vem acompanhando Por mais me atormentar! Faria o esquecimento Menor o meu tormento: Mas quando é que tu viste Um triste Respirar! Girando esta montanha, Os sitios estou vendo, Aonde Amor tecendo Seu doce enredo está. Aqui me occorre a fonte, Alli me lembra o monte: Mas quando é, que tu viste Um triste Respirar! Sentado junto ao rio, Me lembro, fiel pastortl, D'aquella feliz hora, Que n'alma impressa está.
Página 24 - Sentado junto ao rio , Me lembro, fiel Pastora, D'aquella feliz hora , Que n'alma impressa está. Que triste eu tinha estado. Ao ver teu rosto irado ! Mas quando é, que tu viste Um triste Respirar ! De Philis, de Lisarda Aqui entre desvelos , Me pede amantes zelos A causa de meu mal.
Página 176 - E em ajuntar mantimentos se empenhava Com zelo liberal, rara grandeza; Mas por que exhausta a terra então se achava E convinha o soccorro ir com presteza, Mandou-lhe dar cem negros carregados A custa de seus bens e seus cuidados.
Página 27 - As nymphas, que te escondem Lá dentro do seu seio, De meu querido enleio O nome hão de escutar. No bem d'esta lembrança Allivio a alma alcança : Mas quando é, que tu viste Um triste Respirar ! Ah ! Deva-te meu pranto Em tão fatal delirio, Que pagues meu martyrio Em premio de amor tal.
Página 16 - Jamais tua harmonia Me viste abandonar. Qualquer penoso excesso, Que atormentasse esta alma, A teu obséquio em calma Eu pude serenar.
Página 170 - Levantados, fazendo commum a affonta delles, e meditando para o seo despique, puchàra as Tropas do Rio, e Bahia, e juntos por huma, e outra parte, atacarem todas ao mesmo tempo as Minas. Chegou ao Rio de Janeiro a Frota de Portugal, e nella veio render a D. Fernando Martins Mascarenhas, o Governador e Capitão General António de Albuquerque Coelho de Carv.°, por Patente passada em Lisboa...
Página 53 - Nao vejas, Nize amada, A tua gentileza No cristal dessa fonte. Ella te engana, Pois retrata o suave E encobre o rigorozo ; os olhos...
Página 152 - os naturais da cidade de São Paulo, que tem merecido a um grande número de geógrafos antigos e modernos serem reputados por uns homens sem sujeição ao seu soberano, faltos de conhecimento e respeito que devem às suas leis, são os que nesta América tem dado ao mundo as maiores provas de obediencia, fidelidade e zelo pelo seu rei, pela sua pátria e pelo seu reino.

Informações bibliográficas