Imagens da página
PDF
ePub

GEISTT O VII

ESTANCIA LXXI

V. 8 — Para estes Annibáes nenhum Marcello. Anniháes, com accento no segundo a.

ESTANCIA LXXVII

V. 1—Alça-se em pê, eom elle o Gama junto.
Coelho d'outra parte e o Mauritano:

No original lê-se: —os Gama* juntos =, {nas deve ler-se =o Gama junto—, como é facil conhecer, lendo com attenção desde a estancia Xliv d'este canto até ao principio do seguinte e estancia Xlui, v. 2 e 6.

V. 4—De um velho branco, aspeito soberano.

As duas primeiras edições trazem = aspeito venerando—, mas visivelmente é erro, porque = venerando nem é soante de = mauritano = do verso 2, nem de = hnm(ino= do verso (í; por isso adoptámos a emenda feita pelo editor da edição rollandiana de 1843 —aspeito soberano = certos de que esta é a verdadeira lição.

O^HXTTO VIII

ESTANCIA XXXIX

V. 3—Mas falta-lhes pincel, faUam-lhes córes,

0 original traz: =falta-lhe pincel, falta-lhe córes=. Emendámos segundo a mui correcta edição de 10VÍ1:

Mas falta-lhes pincel, faltam-lhes cõres.

ESTANCIA XLVII
V. 1—A isto mais se ajunta, que a hum devoto

No original está =Aum devoto=. Emendámos a hum devoto = , porque fn Baeho que appareceu a um devoto.

Parece-nos pois que se deve ler: =a um devoto =.

ESTANCIA XLIX

V. o — Eu por ti, ruão, velo; e tu adormeces? Em algumas edições se lô: = tudo velo=.

C^VISTTO IX

ESTANCIA X

V. 8 — Outros quebrão co peito duro a barra.

Hurra são os paus que se mettem no cabrestante, com o qual os marinheiros, á força de braço e peitos, suspendem a amaria.

ESTANCIA XXI

V. 6 — Da primeira co'o terreno seio,

Assim trazem as duas primeiras edições de 1572, e assim diz Manuel Correia i|ue fizera este1 verso Luiz de Camões, e lh'o ouvira, e não como anda impresso: — da may primeira =; e por isso conservámos a lição primordial.

O primeiro que fez esta mudança foi o traductor castelhano Benito Caldera, na traducção que saiu n0 anuo de lò'8(), a quem seguiu o editor dos Eusiadas de 1597, e depois outros. Sobre este assumpto vejam-se os differentes editores, que uns seguem uma opinião, outros outra.

ESTANCIA LX

V. o — Ali a rabeca a Por Cephysia inclina

Manuel Correia diz, que em um livro de letra de mão de Luiz de Camões, em logar de =/lor Cifisia = estava = flor Clicia=, que é o heliotropo que vulgarmente se chama gira-sol.

GEISTT O 2£

ESTANCIA II
V. 7—Uies tinha aparelhadas, que a fraqueza

= IJie tinha aparelhados = concordando com = manjares = liem as duas primeiras edições. Emendámos: =lhes tinha apparelhadas=, concordando com = mezas =.

ESTANCIA LXXVIII

V. 3—De varios orbes, que a divina verga

Divina verga— quer dizer = omnipotencia divina =, tomando a insignia iln poder pelo mesmo. O antigo sceptro era uma vara, no latim = virga=, e d'ella usaram Arão e Moysés. Frequentes vezes na Escriptura Sagrada se toma este nome como insignia do poder, e na mesma accepção nos auctores italianos Ariosto. Petrarcha o o Tasso.

ESTANCIA LXXXVIII

V. 6—E do Orionte o gesto turbulento;

Orionte— e não = Oriente=, porque aqui o poeta descreve a constellação Orion. = Turbulento parece erro typographico, porque não rima com fazendo nem com horrendo. Faria e Sousa suspeita que o poeta tivesse escripto turbu/chi/o=, e diz que no manuscripto de Montenegro estava = tremendo—. Freire de Carvalho emendou: —metuendo —.

ESTANCIA CXXVIII

V. 2—Jvo seu regaço o canto, que molhado

No origmal vem = molhados— mas deve ler-se = molhado—, porque molhados não rima rom executado.

[merged small][table]
[merged small][table]
« AnteriorContinuar »