Imagens da página
PDF
ePub

Depois (Testa, e depois da estancia Xl d'este canto iv, havia no mesmo original as oito que se seguem:

Velasquez morre, e Sanches de Toledo,
Hum grande caçador, outro letrado:
Tambem perece Galbes, que sem medo
Sempre dos companheiros foi chamado:
Montanchez, Oropesa, Mondonhedo:
(Qualquer destro nas armas e esforçado)
Todos por mãos de Antonio, moço forte,
Destro mais que elles, pois os trouxe á morte.

Guevara roncador, que o rosto untava,
Mãos e barba, do sangue que corria;
Por dizer, que os muitos que matava
Saltava nelle o sangue e o tingia:
Quando destes abusos se jactava,
De través lhe dá Pedro, que o ouvia,
Tat golpe, com que ati the foi partida
Do corpo a vãa cabeça e a torpe vida.

Pelo ar a cabeça lhe voou,
Inda contando a historia de seus feitos:
Pedro, do negro sangue que esguichou,
Foi todo salpicado, rosto e peitos;
Justa vingança do que em vida usou.
Logo com elle ao occaso vão direitos
Carrilho, João da Lorca, com Robledo;
Porque os outros fugindo vão de medo.

Salazar, grão taful, e o mais antigo
Rufião, que Sevilha então sostinha;
A quem a falsa amiga, que comsigo
Trouxe, de noite só fugido tinha.
Fugio-lhe a amiga, emfim, para outro amigo.
Porque vio que o dinheiro com que vinha,
Perdeo todo de hum resto; e não perdera,
Se huma carta de espadas lhe viera.

O desprezo da amiga o desatina;

E o mundo todo, a terra, e o ceo vagante,

Blasphemando ameaça, e determina

De vingar-se em qualquer que achar diante:

Encontra com Gaspar (que Catharina

Ama em extremo) e leva do montante,

Que no ar fere fogo; e certo cria

Que hum monte da pancada fenderia.

Bem cuida de corta-lo em dous pedaços;
Porém Gaspar, vendo o montante erguido,
Cerra com elle, e leva-o nos braços:
Commettimento destro e atrevido.
Braceia o Castelhano, e de ameaços
Se serve ainda; e estando já vencido,
O Portuguez forçoso, em breve móra,
Lhe leva a arma das mãos, e salta fora.

E porque elle não lhe use a propria manha
Que este lhe usara já, de ponta o fere:
Nos peitos o montante, emfim, lhe banha,
Porque de outra vingança desespere.
Fugio-lhe a alma indigna, e na montanha
Tartárea inda blasphema; ali refere
De mais não açoutar a imiga ingrata,
Que os açoutes de Alecto o pena e mata.

E do metal de espadas aos damnados Diz males e blasphemias sem medida; Que já por não lhe entrar perde os cruzados, E agora por entrar-lhe perde a vida. Por pena quer Plutão de seus peccados, Que se the mostre a amiga já fugida, NEm brincos de outro, e beijos enlevada: Remette elle para elles, e acha nada.

PTeste mesmo canto rv, depois da estancia Xliv, havia no original as duas seguintes:

Oh pensamento vão do peito humano!
Agora neste cego error cahiste?
Agora este fermoso e ledo engano
Da sanguinosa e fera guerra viste?
Agora que com sangue, e proprio dano,
A dura experiencia acerba e triste
T'o tem mostrado. E agora, que o provaste,
Os conselhos darás, que não tomaste.

Dos corpos dos imigos cavalleiros,
Do matto os animaes se apascentaram;
As fontes de mais perto nos primeiros
Dias sangue com agua destinaram.
Os pastores do campo, e os monteiros
Da vizinha montanha, não gostaram
As aves de rapina em mais de hum ano,
Por terem o sabor do corpo humano.

Os ultimos quatro versos da estancia Xlix do mesmo canto rv, estavam muito differentes no manuscripto, e depois d'estes havia mais duas estancias, tudo como se segue:

Ponderando tamanho atrevimento,
Disse a Neptuno então Protheo propheta:
Temo que desta gente, gente venha,
Que de teus reinos o grão sceptro tenha.

Já toma a forte porta inexpugnavel,-
Que o conde desleal primeiro abrio,
Por se vingar do amor inevitavel
Que a fortuna em Rodrigo permittio.
Mas não foi esta a causa detestavel
Que a populosa Hespanha destruio:
Juizo de Deos foi por causa incerta;
A casa o mostra por Rodrigo aberta.

Já agora, ó nobre Hespanha, estás segura

(Se segurar te podem cavalleiros)

De outra perda como esta, iniqua e dura,

Pois que tens Portuguezes por porteiros.

Assi se deo á prospera ventura

Do Rei Joanne a terra, que aos fronteiros

Hespanhoes tanto tempo molestara;

E vençida ficou mais nobre e clara.

Na estancia Lxi d'este mesmo canto iv, eram os ultimos cinco versos no manuscripto como aqui vâo:

Da prospera cidade de Veneza:
Veneza, a qual os povos, que escaparam
Do gothico furor, e da crueza
De Attila edificaram pobremente,
E foi rica despois e preeminente,

Depois da estancia Lxvi do mesmo canto iv, havia no original a seguinte *

Não foi sem justa e grande causa eleito
Para o sublime throno e governança,
Este, de cujo illustre e forte peito
Depende numa grandíssima esperança:
Pois não havendo herdeiro mais direito
No reino, e mais por esta confiança,
Joanne o escolheo, que só o herdasse,
Não tendo filho herdeiro, que reinasse.

Quasi ao fim do mesmo canto iv, depois da estancia Lxxxvi, havia no manuscripto as duas seguintes:

Ali lhe promettemos, se em socego
Nos leva ás partes onde Phebo nace,
De, ou espalhar sua fé no mundo cego,
Ou o sangue do povo pertinace.
Fizemos para as almas sancto emprego
De fiel confissão, pura e verace,
Em que, postoque hereges a reprovam,
As almas, como a Phenix, se renovam.

Tomámos o divino mantimento,
Com cuja graça sancta tantos dias,
Sem outro algum terrestre provimento,
Se sustentaram já Mojsés e Helias:
Pão, de quem nenhum grande pensamento,
Nem sutis e profundas phantesias
Alcançam o segredo, e virtude alta,
Se do juizo a fé não suppre a falta.

No canto vi, depois da estancia Vii, achava-se no mesmo original mais uma

Lá na sublime Italia hum celebrado
Antro secreto está, chamado Averno;
Por onde o capitão Troiano ousado
Ás negras sombras foi do escuro inferno.
Por ali ha tambem hum desusado
Caminho, que vai ter ao centro interno
Do mar, aonde o deos Neptuno mora:
Por ali foi descendo Bacclro agora.

Depois da estancia xxiv do mesmo canto vi, havia a que se segue:

A dor do desamor nunca respeita,
Se tem culpa, ou se não tem culpa a parte;
Porque se a cousa amada vos engeita,
Vingança busca só de qualquer arte.
Porém quem outrem ama, que aproveita
Trabalhar que vos ame, e que se aparte
De seu desejo, e que por outro o negue,
Se sempre fuge amor de quem o segue?

Ahi mesmo, depois da estancia Xl, havia as cinco seguintes:

De que serve contar grandes historias
De capitães, de guerras afamadas,
Onde a morte tem asperas victorias
De vontades alheas sujugadas?
Outros farão grandíssimas memorias
De feitos de batalhas conquistadas:
Eu as farei (se for no mundo ouvido)
De como só de huns olhos fui vencido.

« AnteriorContinuar »