Agora e na hora: ritos de passagem à eternidade

Capa
Loyola, 1996 - 174 páginas
1 Resenha

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Os ritos de passagem à eternidade existem para pessoas que tenham perdido um ente querido ou estejam na iminência de perdê-lo. Toda sorte de reflexões filosóficas e religiosas já foram escritas sobre o pós-morte, a morte ou morrer.
Este livro situa-se numa outra perspectiva, ao abordar o essencial dos ritos profanos e sagrados dos funerais, presentes em todas as civilizações. Ele explica como, e por que, os ritos colaboram na vivência sadia do luto e na superação da dor da perda. Diante da morte, o consciente sabe quem perdeu, mas ainda não dimensiona o que perdeu (ou ganhou).
Hoje, os funerais são rápidos e despojados. Os símbolos descartados. Como se fosse possível eliminar a realidade da morte ou banalizá-la. Mas não há como apagar a presença do ser ausente, nem o necessário processo de luto. Para que a morte de um ente querido não assuma formas obsessivas no inconsciente é necessário ritualizar essa passagem.
O livro Agora e na hora revela como, em várias religiões ocidentais e orientais, os símbolos e ritos funerários ajudam a desatar, na alma, os laços fantasmagóricos com o defunto e com os outros. Fruto de uma vivência em vários continentes, o autor revela Segredos do rito das exéquias cristãs, a origem de seus simbolismos e a sua importância terapêutica e espiritual para quem parte e para os que ficam.
O autor apresenta o valor terapêutico e os significados ocultos dos símbolos e ritos associados ao velório; aborda as diversas dimensões dos ritos de corpo presente e também dos ritos de corpo ausente, tratando de temas envolvendo a morte e o morrer como: luto e melancolia, velar e revelar, ver e tocar, comunhão ou comunicação, julgamentos e merecimentos, remorso e perdão, o sétimo dia, os finados e o feno de luz, o mar dos limites e a posse da verdadeira herança.
 

Informações bibliográficas