Revista universal Lisbonense, Volume 7

Capa
Imprensa Nacional, 1848
0 Resenhas
As avaliações não são verificadas, mas o Google confere e remove conteúdo falso quando ele é identificado
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Outras edições - Ver todos

Passagens mais conhecidas

Página 107 - Se da glória vossa, Pastores, cá me vira Tão digno, que na bella Arcadia nossa Igualmente meu nome se insculpira! Entre a serie preclara De Glauceste a memória se guardara. Mas onde irá sem pejo Collocar-se atrevido Quem longe habita do sereno Tejo, Quem vive do Mondego dividido, E as auras não serenas Do patrio Ribeirão respira apenas? Sim, vosso caro abrigo, Pastores póde tanto, Que despertando do silencio antigo, Erguer bem posso sem vergonha o canto: Comvosco está Glauceste, Comvosco...
Página 9 - As vezes, oh! sim, derramão tão fraco, Tão frouxo brilhar, Que a mim me parece que o ar lhes fallece, E os olhos tão meigos, que o pranto humedece, Me fazem chorar. Assim lindo infante, que dorme tranquillo, Desperta a chorar ; E mudo e sisudo, scismando mil coisas, Não pensa — a pensar. Nas almas tão puras da virgem, do infante, As vezes do céo Cae doce harmonia d'uma Harpa celeste, Um vago desejo; ea mente se véste De pranto co'um véo.
Página 8 - ... dormem, os ossos levar. Teus filhos valentes causavam terror, Teus filhos enchiam as bordas do mar, As ondas coalhavam de estreitas igaras, De frechas cobrindo os espaços do ar. Já hoje não caçam nas matas...
Página 107 - Quem fórma estas cadencias? Quem produz tão mimosas influencias? Se os olhos me não mentem, Os venturosos nomes Gravados nestes troncos já se sentem, Tu, tempo gastador, os não consomes; Briareu aqui diz este, Ninfeu diz outro, aqui diz outro Eureste.
Página 489 - A sorte fel o poeta, Das cinzas da pobre Ignez ; O mundo fel-o propheta Do destino portuguez ! Poeta da desventura, Previu a sorte futura, Escreveu com mão segura A prophecia que fez ! Deus, que deu aos...
Página 488 - Que belleza nos legou! Pungido de acerbas dores, Pelo Tejo, seus amores, Foi o rei dos trovadores, Foi o cysne que expirou. Como Ovidio, desterrado...
Página 9 - Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, -- De vivo luzir, São meigos infantes, gentis, engraçados, Brincando a sorrir. São meigos infantes, brincando, saltando Em jogo infantil, Inquietos, travessos: — causando tormento, Com beijos nos pagam a dor de um momento, Com modo gentil . Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, Assim é que são; Às vezes...
Página 7 - Poesias Americanas" que são como o pórtico do edifício ocupassem nele maior espaço. Nos poetas transatlânticos há por via de regra demasiadas reminiscências da Europa. Esse Novo Mundo que deu tanta poesia a Saint-Pierre ea Chateaubriand é assaz rico para inspirar e nutrir os poetas que crescerem à sombra das suas selvas primitivas.
Página 488 - A Camões por monumento Só resta um livro, não mais ; D'aquelle genio portento Não temos outros signaes ; Mas que importa, se a memoria Do cantor da nossa gloria Alcançou maior victoria Nos seus cantos colossaes...
Página 33 - Rojo a fronte no pó, que ali desponta O sol da Redempção ; Adoro a Luz, que apaga a eterna affronta Do legado grilhão ! Cantae, vozes do mar, vozes da serra, ; Um cantico profundo.

Informações bibliográficas