Imagens da página
PDF

Á MEMORIA DE VASCO DA GAMA E CAMÕES

Et hor quella del colto, e buen Luigi
Tant'oltre stende il glorioso volo
Che i tuoi spalmate legni andar men lunge.

Tnrn. Tam -Snnnto n Camões.

Eis mais uma vez sáe dos prelos, ja cansados de o reproduzirem, o poema immorredouro, que legou a posteridade, com a da nação que ditosa vos deu o ser, a vossa mutua gloria. Se, ardido navegador, foste devassar o berço da aurora, quebrando os cancellos com que o vedava á Europa o terrivel gigante, o teu cantor, Gama illustre, seguindo o rastro das quilhas de teus frageis lenhos, foi ainda alem da Taprobana, na parte mais extrema das conquistas portuguezas, cantar, ao som das encapelladas ondas dos mares da China, 0 poema escripto com o seu sangue, humedecido com as lagrimas da desventura, molhado e salvo das ondas do naufragio lastimoso.

E se com o teu feito, e com os teus aguerridos argonautas foste estender mais largo horisonte para as proezas g'uerreiras dos soldados, exercitados nos campos africanos; se ao abrigo da cruz abriste tantas regiões á luz da fé e da civilisação, communicando-as pelo commercio e trato com o antigo continente; o teu vate, capitão audaz, no seu poema, reproduzido por mais de quatorze linguas estranhas, revela ao mundo que alargaste

t

os effeitos e importancia de tua arrojada empreza, e o valor e

heroicos feitos do pequeno povo que a poz por obra.

Povo pequeno de gigantes! E quanta gloria não irradiou de teu solo abençoado! E que vastas regiões descobertas! tão vastas, que nunca as abandonava o sol, quer surgisse do seu berço de perolas, quer se elevasse gigante, quer repousasse no seu leito roxeado!

Aqui te vejo, nação generosa, `abroquellando a Europa do poder ottomano, acolá roubando á soberba Veneza o seu lucrativo commercio, tuas armas sempre vencedoras, e tua alliança e amisade sempre amada e sempre temida; na terra brotando de cada pegada tua um triumpho; no mar tremendo debaixo de teus pés o elemento vario e indomavel.

Mas caíste! Caíste porém como cáem os bravos no leito de honra, no campo de batalha! E se a tua gloria se eclipsou por algum espaço, após o tempo de uma grande catastrophe, bastou que encarasses de vontade o teu passado para que esta rei surgisse, e quebrasses grilhões de sessenta annos, justo castigo pela tua indifferença pela causa publica; bastou que olhasses de vontade mais tarde para esse passado para arrojares para alem dos Pyrineos as aguias rapaces que ousaram pairar sobre o teu solo; e o primeiro capitão do seculo fez justiça ao teu valor, sentiu o peso do teu braço.

' Besurgiste! Venceste, porque não tinhas renegado o teu passado, não tinhas cuspido nos brasões de teus avós! Bastou o seu exemplo para accordar os teus brios adormecidos, o canto do teu bardo para inflammar o coração de teus soldados!

Mas se hoje, que o direito internacional europeu tolera que se disponha da independencia dos povos, como dadiva do conquistador; que á força bruta cede o passo a verdadeira civilisação,

que protege o fraco contra o poderoso, que só podera reivindicar esse nome quando houver convertido a espada na relha do arado, o bronze que atroa e mata na campa que chama do alto do campanario os povos a verdadeira fraternidade, a fraternidade catholica; que o valor esta no instrumento homicida, que multiplica a morte, e não no braço do forte; se esta marcado nos altos destinos da Providencia, que em castigo dos nossos erros e do falso e estupido regosijo que se apparenta em ver nações, com tanto ou maior jus á sua autonomia, desapparecerem do mappa do globo, embora a campa caia sobre essas tuas glorias, o teu nome e o de teus compatriotas não ficará extincto, porque em volta diessa campa, de que será epitaphio os Lusíadas, revoará a fama que alfronta os seculos. Depois da morte tambem se vive!

Viveras; porque na tua sorte adversa ainda iras juntar esse teu nome ao dos gregos e dos romanos; porque niesses `vastos depositos das sciencias inda irão collocar-se os Lusíadas ao lado da Illíada e da Eneida!

PROLOGO

Sáe á luz n'este sexto volume das obras do nosso poeta o seu poema immortal dos Lusíadas, conforme a edição por elle publicada na sua vida, isto é, aquella que se reputa ser a segunda. Não nos lisonjearemos da sua perfeição, quando vemos quasi todos, para não dizer todos, aquelles que nos precederam naufragar n'estes escolhos, que sómente não conhece quem não navega por este mar duvidoso, de incertezas,'erros typographicos, falsas emendas, interpretações arbitrarias, opiniões individuaes, e quantas vezes excentricas, difliceis de satisfazer, porquanto não é possivel contentar a todos, nem adoptar systemas disvariados, quando a necessidade fórça a seguir resolutamcnte um só caminho.

Se a isto acrescentarmos uma predisposição de espirito apouquentada e hypocondriaca, de quem deixou para tão tarde' esta ardua empreza, quebrantamento physico do corpo, alquebrado por enfermidades, correios da velhice, que chega taciturna e melancholica, não aprazível e graciosa, como aquella que conhecemos de nossos paes; descrença de tudo terreno, até das letras, mais certo suave e agradavel entretenimento de alguma hora mansa da vida, desgostos pungentes que se cevam no passado, no presente e, o que é mais, no futuro, porque o pensamento vidente e a rasão esclarecida rompem as sombras

« AnteriorContinuar »