A Alma Encantadora das Ruas

Capa
Google, Inc., 28 de jul. de 2013
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Sobre o autor (2013)

Paulo Barreto (João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto; pseudônimo literário: João do Rio) nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 5 de agosto de 1881, e faleceu na mesma cidade em 23 de junho de 1921. Era filho de educador Alfredo Coelho Barreto e de Florência Cristóvão dos Santos Barreto. O jornalista, cronista, contista e teatrólogo foi o segundo ocupante da Cadeira 26 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 7 de maio de 1910, na sucessão de Guimarães Passos e recebido pelo Acadêmico Coelho Neto em 12 de agosto de 1910. Entre suas obras estão: As religiões do Rio, reportagens (1905); Chic-chic, teatro (1906); A última noite, teatro (1907); O momento literário, inquérito (1907); A alma encantadora das ruas, crônicas (1908); Cinematógrafo, crônicas (1909); Dentro da noite, contos (1910); Vida vertiginosa, crônicas (1911); Os dias passam, crônicas (1909); Dentro da noite, contos (1910); Vida vertiginosa, crônicas (1911); Os dias passam, crônicas (1912); A bela madame Vargas, teatro (1912); A profissão de Jacques Pedreira, novela (1913); Eva, teatro (1915); Crônicas e frases de Godofredo de Alencar (1916); No tempo de Wenceslau, crônicas (1916); A correspondência de uma estação de cura, romance (1918); Na conferência da paz, inquérito (1919); A mulher e os espelhos, contos (1919).
 

Informações bibliográficas