Papéis avulsos

Capa
Penguin-Companhia, 28 de jan de 2011 - 272 páginas
Com Papéis avulsos, que reúne os contos de Machado de Assis publicados entre 1875 e 1882 na imprensa carioca, o selo Penguin-Companhia das Letras revisita alguns dos momentos mais significativos do autor. Prefácio de John Gledson e notas de Hélio Guimarães. Leitura obrigatória do vestibular da Unicamp. Papéis avulsos, primeiro livro de contos publicado por Machado de Assis (1839-1908) após o lançamento de Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), é integralmente composto por momentos antológicos da ficção curta brasileira. De "O alienista", um dos mais famosos contos do autor, a "O espelho", cujo enredo psicológico tem fascinado sucessivas gerações de leitores e escritores (inclusive Guimarães Rosa, que escreveu um conto homônimo como "resposta"), este livro concentra alguns dos melhores personagens e situações do criador de Dom Casmurro. Com introdução de John Gledson e notas de Hélio Guimarães, esta edição foi baseada na primeira edição do livro, única em vida do autor, e traz um pequeno texto introdutório de "Na arca", que Machado cortou quando publicou o conto em livro. Segundo Gledson, embora a unidade das histórias não seja à primeira vista evidente, textos tão dissimilares como "Teoria do medalhão" e "A sereníssima república" se entrelaçam do ponto de vista histórico. Além disso, são uma exploração multifacetada e irônica da situação do Brasil e dos brasileiros, no momento em que o autor tinha achado sua verdadeira voz. Leitura obrigatória do vestibular da UFRGS.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Sobre o autor (2011)

Joaquim Maria Machado De Assis Nasceu em 21 de junho de 1839 no Rio de Janeiro. Seu pai era "pardo" e neto de escravos; sua mãe era açoriana. Publicou seu primeiro poema pouco antes de completar quinze anos e vários romances considerados obras-primas, como Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891) e Dom Casmurro. Morreu em 29 de setembro de 1908, no Rio de Janeiro.

Informações bibliográficas