Obras de Luiz de Camões: Redondilhas. Comedias

Capa
Imprensa nacional, 1863
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Passagens mais conhecidas

Página 101 - L)aquillo que cabe em mi. Que não sei que pensamentos São os para que nasci. Quando vejo este meu peito A perigos arriscados Inclinado, bem suspeito Que a cuidados sou sujeito, Mas porém a que cuidados?
Página 10 - Que, quando a muita graveza de saudade quebrante esta vital fortaleza, antes moura de tristeza que, por abrandá-la, cante. Que se o fino pensamento só na tristeza consiste, não tenho medo ao tormento: que morrer de puro triste...
Página 40 - Se são por vós, são perdidas: Que qual será a oração. Que seja satisfação, Senhora, de tantas vidas? Que se vedes quantos vem A só vida vos pedir, Como vos ha Deos de ouvir, Se vós não ouvis ninguem'1? Não podeis ser perdoada Com mãos a matar tão prontas, Que se n" hu ma trazeis contas, Na outra trazeis espada.
Página 195 - E diz que quem se della não contentar, querendo outros novos acontecimentos, que se vá aos soalheiros dos Escudeiros da Casfanheira, ou de Alhos Vedros e Barreiro, ou converse na Rua Nova em casa do Boticario; e não lhe faltará que conte.
Página 12 - Se eu nunca vi tua essencia, Como me lembras na ausencia? Não me lembras na memoria, Senão na reminiscencia: Que a alma é...
Página 83 - Soa na infernal cadeia, Do que o demonio arreceia Como não fugirei eu? . Com razão lhe fugiria, Se contr'elle, e contra tudo Não tivesse hum forte escudo Só em Vossa Senhoria. Por tanto, Senhor, proveja, Pois me tee ao remo atado, Que antes que seja embarcado, . Eu desembargado .seja.
Página 9 - Sião? ^Que foi daquele cantar Das gentes tão celebrado? Porque o deixava de usar? Pois sempre ajuda a passar Qualquer trabalho passado. Canta o caminhante ledo No caminho trabalhoso, Por entre o espesso arvoredo; E de noite o temeroso, Cantando, refreia o medo.
Página 112 - El mirar me consintió, Y defendióme el deseo. .Mas el alma, como injusta. En viendo tal perfección, Dio al deseo ocasión: Y pues quebré ley tan justa, Justa fue mi perdición.
Página 6 - E vi com muito trabalho comprar arrependimento; vi nenhum contentamento, e vejo-me a mim, que espalho / tristes palavras ao vento. Bem são rios estas águas, com que banho este papel; bem parece ser cruel variedade de mágoas e confusão de Babel.
Página 168 - E vós ereis todas de vento, E eu delle vivia então; Se vos tomei sem razão. Com ella vos deixarei Tão mal como vos tomei. Assim vos queria ter Sem razão e mal tomadas, Sabendo, quando deixadas, Quanto havieis de doer; Mas nem isto pôde ser, Que por meu mal vos tomei E por vós me deixarei.

Informações bibliográficas