Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da tv

Capa
Editora Record, 2000 - 458 páginas
Durante o regime militar, muitos artistas e intelectuais decidiram mostrar seu engajamento político através da sua arte e do seu pensamento, disseminando suas idéias e críticas. Músicas, filmes, artigos, livros tornaram-se as melhores e mais eficientes formas de protesto e contestação da ditadura e de discussão da verdadeira identidade do povo brasileiro. Marcelo Ridenti retoma neste livro a questão da identidade nacional e política do povo brasileiro, tendo como objeto de análise as discussões e manifestações de intelectuais e artistas nos anos 60 e 70. Ridenti mostra o que as músicas de Caetano Veloso e Chico Buarque, os poemas de Ferreira Gullar e Moacyr Félix, os dramas do Teatro de Arena e do Oficina e os filmes de Cacá Diegues e Glauber Rocha têm em comum: o romantismo revolucionário - prova maior do engajamento político e social da classe artística.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Sinopse Durante o regime militar, muitos artistas e intelectuais decidiram mostrar seu engajamento político através da sua arte e do seu pensamento, disseminando suas idéias e críticas. Músicas, filmes, artigos, livros tornaram-se as melhores e mais eficientes formas de protesto e contestação da ditadura e de discussão da verdadeira identidade do povo brasileiro. Marcelo Ridenti retoma neste livro a questão da identidade nacional e política do povo brasileiro, tendo como objeto de análise as discussões e manifestações de intelectuais e artistas nos anos 60 e 70. Ridenti mostra o que as músicas de Caetano Veloso e Chico Buarque, os poemas de Ferreira Gullar e Moacyr Félix, os dramas do Teatro de Arena e do Oficina e os filmes de Cacá Diegues e Glauber Rocha têm em comum: o romantismo revolucionário - prova maior do engajamento político e social da classe artística. 

Outras edições - Visualizar todos

Informações bibliográficas