Escravidão e universo cultural na colonia Minas Gerais, 1716-1789

Capa
Editora UFMG, 2001 - 285 páginas
Compreensão da complexa e fascinante sociedade mineira colonial, particularmente das relações escravistas aí desenvolvidas, é a tônica desta obra. Para isso o autor estudou, através de testamentos e de inventários post-mortem de homens e mulheres livres e libertos do século XVIII, as antigas comarcas do Rio das Velhas, ao Norte, e do Rio das Mortes, ao Sul de Minas Gerais, e investigou, principalmente, o dia-a-dia das mulheres ex-escravas e de suas famílias, no período que se estende entre 1716 e 1789.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Lista de figuras
19
Alforrias e coartações nos testamentos
21
Famílias nos conjuntos individuais
24
Distinções hibridismo
31
Alforrias e coartações nos testamentos
40
Famílias escravas alforrias e coartações
48
Número de testamentos e inventários
54
Regiões de origem e de procedência
60
Estrutura de posse de escravos entre
131
Estrutura de posse de escravos entre
139
Número de escravos alforriados
164
Número de escravos alforriados
176
Estrutura de posse de escravos entre
180
Alforrias e coartações nos testamentos
184
inventariados Comarcas do
187
Testadores com filhos ilegítimos
201

População livre e escrava nas Minas
70
Figuras masculinas
99
Detalhe
105
Jóias de crioula
111
Senhores escravos coartados
115
Tráfico atlântico de escravos africanos
117
Distribuição de escravos entre
123
Distribuição de escravos entre
125
Famílias escravas alforrias e coartações
207
das Mortes 17161789
209
Famílias escravas alforrias e coartações
214
Considerações finais
239
Notas
245
Fontes manuscritas
259
Crónica descrições dicionários
261
Direitos autorais

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Informações bibliográficas