Poesias, Volume 1

Capa
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Passagens mais conhecidas

Página 336 - Triste de facha, o mesmo de figura, Nariz alto no meio, e não pequeno: Incapaz de assistir n'um só terreno, Mais propenso ao furor do que á ternura; Bebendo em niveas^ mãos por taça escura De zelos infernaes lelhal veneno: Devoto incensador de mil deidades (Digo, de moças mil) n'um só momento, E somente no altar amando os frades:
Página 357 - a banza afina: Faz versos em francez, francez antigo. Em giria de Veneza, e finalmente Em corrupto hispanhol; leve o castigo: O XI-IV. Ao mesmo. MUNDO a porfiar que o Franco é tolo, O Franco a porfiar que o mundo mente! Irra! o padre vigário é insolente, Raspem-lhe as mãos, e ferva-lhe o carolo:
Página 175 - cruel me não consente Que o ferro nu brandindo irado, e forte, Lá nos horrendos campos de Mavorte De louros immortaes guarneça a frente: Se prohibe que em sólio refulgente Faça os povos felices, de tal sorte Que o meu nome apezar da negra morte Fique em padrões e estatuas permanente: Se as suas Ímpias leis
Página 152 - amado bem, teu rosto lindo, Teus afagos deixar, tua candura, Tanto me opprime, que da morte escura Sobre mim negras sombras vem caindo: D Eu parto, e vou teu nome repetindo, Porque dê desafogo á magoa dura; Meus tristes ais, suspiros de amargura Aquém dos mares ficarás ouvindo: Mas se me cercam no cruel transporte Quantas fúrias o
Página 355 - feira; Ferrugento faim, que já foi moda No tempo em que Albuquerque fez a poda Ao suberbo Hidalcão com mão guerreira: Ruço calção, que espipa no joelho, Meia e sapato, com que ao lodo avança, Vindo a encontrar-se c'o esburgado artelho:
Página 30 - ao templo do lethal Ciúme A Desesperação, que em mim fervia; O cabello de horror se me arripia Ao recordar o formidável nume : Fumegava-lhe aos pés tartareo lume, Crespa serpe as entranhas lhe roía; Eram ministros seus a Aleivosia, O Susto, a Morte, a Chólera, o
Página 197 - pregoeiros Exultaram, Sion, teus sacros muros) «O justo descerá dos astros puros Em deleitosos, cândidos chuveiros, As feras dormirão com os cordeiros, Soarão doce mel carvalhos duros ; A virgem será mãe ; vós dareis flores, Brenhas intonsas, em remotos dias; Porás fim, torva guerra, a teus horrores.
Página 143 - Um ai, penhor de cândida ternura, Envia ao triste, que esmorece, anhela; Que em ti cuidando solitário vela No seio antigo de masmorra escura: * Manda-lhe um ai, meu bem; com elle afaga Do ancioso amante o coração ferido, A quem mordaz saudade assanha a chaga:
Página 316 - qualidade: Nenhum ha, que não conte, e sem vaidade, Que seu primeiro avô, brutal Quixote, Dera no padre Adão com um chicote Por lhe haver disputado a antiguidade: Diz-nos esta republica de loucos Que o cofre do Marata é
Página 135 - Eu descoro, eu praguejo, eu ardo, eu gemo; Eu choro, eu desespero, eu clamo, eu tremo, Em sombras a razão se me condensa: Tu só tens gratidão, só tens brandura, E antes que um coração pouco amoroso Quizera ver-te uma alma ingrata, e dura: