Do Contrato Social

Capa
Clube de Autores, 10 de abr. de 2020
Do Contrato Social é uma obra do escritor suíço Jean-Jacques Rousseau, considerada por muitos como uma de suas obras-primas; parte de uma obra mais extensa, as Instituições Políticas, que, por não ter sido completada, teve suas partes menos importante destruídas pelo autor. Trecho mais considerável e menos indigno de ser oferecido ao público (segundo Rousseau, na Advertência de Do contrato social ). Polêmico e controverso, o livro suscitou um debate que dura até os dias de hoje e que atravessa muitos campos do conhecimento humano. Nesta obra, Rousseau expõe a sua noção de contrato social, que difere muito das de Hobbes e Locke: para Rousseau, o homem é naturalmente bom, sendo a sociedade, instituição regida pela política, a culpada pela degeneração dele. O contrato social para Rousseau é um acordo entre indivíduos para se criar uma sociedade, e só então um Estado, isto é, o contrato é um pacto de associação, não de submissão. Rejeitando a ideia de que qualquer um tem o direito natural de exercer autoridade sobre o outro, Rousseau defende um pacto, o contrato social , que deveria vigorar entre todos os cidadãos de um Estado e que serviria de fonte para o poder soberano. Este é um livro que trata de questões ligadas à política e à lei, à liberdade e à justiça. A sociedade imaginada por Rousseau foi considerada por muitos um modelo de totalitarismo, e para outros foi uma poderosa declaração de princípios democráticos.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Conteúdo

Da escravidão
CAPÍTULO IXDo domínio real 12
Do povo 20
Do princípio que constitui as várias formas de governo
Divisão dos governos 28
Da democracia 29
Da aristocracia 30
Dos governos mistos 33
Como se mantém a autoridade soberana 37
Continuação 38
Continuação39 CAPÍTULO XV Dos deputados ou representantes 39
De como a instituição do governo não é de modo algum um contrato 41
Da instituição do governo 41
Meio de prevenir as usurpações do governo42
LIVRO QUARTO 43
Dos sufrágios 44

Que qualquer forma de governo não convém a qualquer país 33
Indícios de um bom governo 36
CAPÍTULO XDos abusos do governo e de sua tendência a degenerar
CAPÍTULO XI Da morte do corpo político 37
Das eleições 45
Dos comícios romanos 46
Do tribunato 50

Outras edições - Visualizar todos

Informações bibliográficas