Caso Delmo: O crime mais famoso de Manaus

Capa
Mídia Ponto Comm, 2011 - 376 páginas
0 Resenhas
Num fatídico fevereiro de 1952, um jovem, acusado de assassinato, torna-se, em menos de uma semana, de algoz a vítima. Assim foi o Caso Delmo, o crime mais famoso de Manaus, cujos fatos desencadeados por aqueles sinistros acontecimentos, que marcaram a vida de uma Manaus pacata dos anos 1950, têm as suas mais vivas nuances descritas neste livro através das manchetes e notícias dos jornais impressos pertencentes ao grupo Archer Pinto.

 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Termos e frases comuns

Sobre o autor (2011)

Iniciou o curso primário em 1970 no Colégio Marieta D'Ambrósio, cidade de Santa Maria (Rio Grande do Sul). Cinco anos depois, em 4 de fevereiro, transferiu-se com os seus pais para Manaus, onde ingressou no Colégio Militar. Permaneceu na capital amazonense até dezembro de 1978. De volta ao sul do Brasil, concluiu seus estudos no Colégio Militar de Porto Alegre, e, em seguida, ingressou no curso de Engenharia Civil da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) e no curso de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Sua militância estudantil teve início na capital gaúcha e se estendeu até ao final dos anos 80 em Manaus, cidade que o recebeu novamente em 7 de julho de 1982. Nesse mesmo ano, o então aluno da Universidade do Amazonas (UA) participou do Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), como delegado eleito pelo curso de Matemática. Logo em seguida, filiou-se ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Atuou ainda como conselheiro universitário, diretor de entidades estudantis, fundador do Diretório Acadêmico de Engenharia (antigo “Engenhoca”), diretor do Diretório Central dos Estudantes e coordenador nacional dos estudantes de Engenharia. Dentro deste período de atividade política, também atuou no movimento pela redemocratização do País, na campanha Diretas Já! e na democratização das eleições para diretor e reitor da UA, entre outras conquistas em que participou.

Em 24 de fevereiro de 1988, o agora estudante de Jornalismo rompeu com o PCdoB e foi convidado por Omar Aziz (colega dos tempos do curso de Engenharia e atual governador do Amazonas) para trabalhar na Fundação de Apoio e Desenvolvimento Comunitário (Fundac), onde exerceu o cargo de diretor executivo. Neste mesmo ano, colaborou com a primeira campanha eleitoral de Omar para a Câmara Municipal de Manaus. E nos anos de 1989 e 1990, atuou como consultor do então prefeito Arthur Virgílio Neto.

Ainda em 1990, começou a desempenhar um trabalho embrionário de pesquisas de opinião pública, em parceria com os professores do Departamento de Estatística da UA, e, concomitantemente, desenvolveu a primeira apuração paralela ao Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas. Ressalte-se que naquela época a contagem dos votos demorava mais de vinte dias para ser finalizada. Mesmo assim, Durango antecipou o resultado da eleição de governador menos de sete dias após o pleito, projeto realizado em conjunto com o jornalista Umberto Calderaro Filho, fundador da Rede Calderaro de Comunicação.

Seu trabalho de pesquisa informal continuaria até à eleição de 1992. Em 13 de julho do ano seguinte, Durango fundou a Perspectiva Tecnologia da Informação, que se notabilizou por ser a única empresa de pesquisa a acertar todos os resultados eleitorais no estado do Amazonas. Além das pesquisas eleitorais, a Perspectiva também já desenvolveu mais de mil projetos de pesquisa de opinião e de mercado, com destaque para o Top of Mind, que todos os anos aponta as marcas e produtos mais presentes na mente do consumidor amazonense.

Em 2009, Durango criou a The Voice Mídias Integradas, empresa especializada em painéis e plataformas de LED entre outras soluções de comunicação visual e publicitária. Em Dezembro de 2014, Durango criou um blog para expor suas ideias, publicar pesquisas, acervo histórico, vídeos eleitorais, dentre outros conteúdos.

Informações bibliográficas