Um historiador, alguns fatos inéditos e muitas histórias: Uma homenagem a Jõao Batista de Faria e Sousa

Capa
Mídia Ponto Comm - 153 páginas
0 Resenhas
Descrever uma avenida vai além do que apenas dizer quais as suas características físicas. Afinal, ela não existe ali sozinha, como uma via independente. Há toda uma história que a cerca, presente nas residências e estabelecimentos comerciais nela localizados, nos passeios e praças que a ela se atrelam, nos personagens conhecidos e incógnitos que a utilizam para ir e vir e nos acontecimentos que a elegeram como o templo de suas ocorrências. As avenidas têm alma e memórias. Segundo o Dicionário Aurélio, avenida é uma via urbana mais larga que uma rua, geralmente composta por diversas pistas para a circulação de veículos. Em Manaus, assim como em todas as cidades com o mínimo de urbanização, há várias delas, abertas para facilitar a interligação entre bairros e zonas geográficas. Como exemplo, temos a Eduardo Ribeiro, a Getúlio Vargas, a Joaquim Nabuco, a Djalma Batista e a Torquato Tapajós, só para citar algumas. E no caso específico dessas, e de outras não mencionadas, pode se perceber que há um ponto em comum em suas denominações: elas fazem referência a personagens históricos locais e nacionais. Por lei, a nomenclatura de vias é atribuição dos vereadores e há uma legislação federal que proíbe que essa homenagem seja feita a pessoa viva (Lei 6.454, de 24 de outubro de 1977), o que, diga-se de passagem, não se respeita muito no Brasil. No entanto, seja para a perpetuação de um nome ou momento político ou para reverência a um nobre e justo defensor do bem comum popular, os nomes das vias trazem em seu bojo mais do que apenas uma biografia. E é o que temos neste livro, onde Durango Duarte, um grande entusiasta do resgate e da preservação da memória de nossa cidade, rende reverências mais que merecidas ao brilhante jornalista e escritor João Batista de Faria e Sousa, mestre na arte de registrar minuciosamente as passagens importantes da história amazonense. Por meio de sua pena e talento, “J. B.” escreveu alguns artigos contendo a gênese e a evolução de duas importantes avenidas de Manaus – Epaminondas e Constantino Nery –, que foram reunidos e transcritos nesta obra. Em Um historiador, alguns fatos inéditos e muitas histórias: uma homenagem a João Batista de Faria e Sousa, você terá a oportunidade de conhecer não somente a explicação do surgimento dessas vias, mas também todo um conjunto de descrições sobre vários outros aspectos da nossa urbe, desde a história de personagens conhecidos até a preocupação do poder público com o abastecimento de água da cidade, passando, inclusive por uma tentativa de golpe militar em Manaus contra um importante governador do Amazonas, no final do século XIX. Fatos estes todos conectados às duas avenidas, muito bem dissecados pelo notável “J. B.”. Faria e Sousa escrevia seus artigos em periódicos e, especialmente, no Diário Oficial do Estado (DOE) que, ao contrário dos dias atuais, possuía um caráter muito mais informativo do cotidiano amazonense do que o de mero divulgador de atos administrativos. Inclusive, ao prestar esta honra a Faria e Sousa, Durango também faz um alerta ao poder público: que busque com urgência a devida organização e revitalização do acervo de DOE que ainda resiste. Caso contrário, corre-se o risco da perda definitiva de verdadeiros tesouros sobre a história do Amazonas.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Termos e frases comuns

Sobre o autor

Iniciou o curso primário em 1970 no Colégio Marieta D'Ambrósio, cidade de Santa Maria (Rio Grande do Sul). Cinco anos depois, em 4 de fevereiro, transferiu-se com os seus pais para Manaus, onde ingressou no Colégio Militar. Permaneceu na capital amazonense até dezembro de 1978. De volta ao sul do Brasil, concluiu seus estudos no Colégio Militar de Porto Alegre, e, em seguida, ingressou no curso de Engenharia Civil da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) e no curso de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Sua militância estudantil teve início na capital gaúcha e se estendeu até ao final dos anos 80 em Manaus, cidade que o recebeu novamente em 7 de julho de 1982. Nesse mesmo ano, o então aluno da Universidade do Amazonas (UA) participou do Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), como delegado eleito pelo curso de Matemática. Logo em seguida, filiou-se ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Atuou ainda como conselheiro universitário, diretor de entidades estudantis, fundador do Diretório Acadêmico de Engenharia (antigo “Engenhoca”), diretor do Diretório Central dos Estudantes e coordenador nacional dos estudantes de Engenharia. Dentro deste período de atividade política, também atuou no movimento pela redemocratização do País, na campanha Diretas Já! e na democratização das eleições para diretor e reitor da UA, entre outras conquistas em que participou.

Em 24 de fevereiro de 1988, o agora estudante de Jornalismo rompeu com o PCdoB e foi convidado por Omar Aziz (colega dos tempos do curso de Engenharia e atual governador do Amazonas) para trabalhar na Fundação de Apoio e Desenvolvimento Comunitário (Fundac), onde exerceu o cargo de diretor executivo. Neste mesmo ano, colaborou com a primeira campanha eleitoral de Omar para a Câmara Municipal de Manaus. E nos anos de 1989 e 1990, atuou como consultor do então prefeito Arthur Virgílio Neto.

Ainda em 1990, começou a desempenhar um trabalho embrionário de pesquisas de opinião pública, em parceria com os professores do Departamento de Estatística da UA, e, concomitantemente, desenvolveu a primeira apuração paralela ao Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas. Ressalte-se que naquela época a contagem dos votos demorava mais de vinte dias para ser finalizada. Mesmo assim, Durango antecipou o resultado da eleição de governador menos de sete dias após o pleito, projeto realizado em conjunto com o jornalista Umberto Calderaro Filho, fundador da Rede Calderaro de Comunicação.

Seu trabalho de pesquisa informal continuaria até à eleição de 1992. Em 13 de julho do ano seguinte, Durango fundou a Perspectiva Tecnologia da Informação, que se notabilizou por ser a única empresa de pesquisa a acertar todos os resultados eleitorais no estado do Amazonas. Além das pesquisas eleitorais, a Perspectiva também já desenvolveu mais de mil projetos de pesquisa de opinião e de mercado, com destaque para o Top of Mind, que todos os anos aponta as marcas e produtos mais presentes na mente do consumidor amazonense.

Em 2009, Durango criou a The Voice Mídias Integradas, empresa especializada em painéis e plataformas de LED entre outras soluções de comunicação visual e publicitária. Em Dezembro de 2014, Durango criou um blog para expor suas ideias, publicar pesquisas, acervo histórico, vídeos eleitorais, dentre outros conteúdos.

Informações bibliográficas