Rimas, Volume 1

Capa
Na Officina de Simão Thaddeo Ferreira, 1800 - 372 páginas
0 Resenhas
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Outras edições - Visualizar todos

Passagens mais conhecidas

Página 79 - Arrostar co' sacrílego gigante: Como tu, junto ao Ganges sussurrante, Da penúria cruel no horror me vejo, Como tu, gostos vãos, que em vão desejo, Também carpindo estou, saudoso amante...
Página 208 - Rebentai de vulcão, que o mundo abale, E a peste, que exhalais do peito horrendo, O ferreo coração de Lilia rale ! » Calou-se, e do alto escolho á pressa erguendo O formidavel corpo, inda mais alto, E as negras mãos, phrenctico-, mordendo, II.
Página 347 - Amiga (diz a cigarra), Prometo à fé de animal Pagar-vos antes de Agosto Os juros eo principal.» A formiga nunca empresta, Nunca dá, por isso ajunta : — «No Verão em que lidavas?» À pedinte ela pergunta. Responde a outra: «Eu cantava Noite e dia, a toda a hora.
Página 350 - E!le ao posto o conduz, cobre-o de ramos, Ordena-lhe que zurre, ea seus reclamos » Crê que inda os mesmos brutos, que dão provas De atroz braveza, fugirão das covas. Não era aquella tropa ainda usada Ao fragor de asinina trovoada: No ar o espantoso orneio em fim resoa, Vaga o terror, e as grutas despovoa : Tremendo, a turba agreste alonga o passo ; Foge tudo, e fugindo, eis cáe no laço, Onde os espera a garra penetrante. «Então, que tal, que tal? Não sou chibante?
Página 50 - Áridos matos, lôbrega floresta! Ah! não me roubou tudo a negra sorte: Inda tenho este abrigo, inda me resta O pranto, a queixa, a solidão, ea morte.
Página 206 - ... laços Pretende unir-me a si, teus olhos vendo Confio que te aperte entre seus braços: Tanto poder terás! Ah! Vem correndo, Que já seus raios de ouro o Sol dardeja Do ethereo carro, o mundo esclarecendo: Punge os Ethontes, como que deseja A quéda anticipar nas aguas, onde De perto, oh nympha, tuas graças veja. Vem, pois, encanto meu, vem, corresponde Ao fervoroso amor, em que me inflammo, Sáe d'entre a basta selva, que te esconde.
Página 327 - O passarinho preso Na gaiola empoleirado, Um mimoso passarinho Trinava brandos queixumes Com saudades do seu ninho. «Nasci para ser escravo, (Carpia o cantor plumoso) Não ha ninguém n'este mundo, Que seja tão desditoso.
Página 330 - Aqui parou de cançado O volatil carpidor ; Eis que vê chegar da cara O seu barbaro senhor. Trazia encostado ao hombro O arcabuz fatal, e horrendo, E alguns passaros no cinto, Uns mortos, outros morrendo. Das penetrantes feridas Ainda o sangue pingava, E do cruento verdugo As curtas vestes manchava. O preso vendo a tragedia, Coitadinho, estremeceu, E de susto, e de piedade Quasi os sentidos perdeu.
Página 9 - Em sordida masmorra aferrolhado, De cadeias asperrimas cingido Por ferozes contrarios perseguido, Por linguas impostoras criminado: Os membros quasi nus, o aspecto honrado Por vil boca, e vil mão roto, e cuspido, Sem ver um só mortal compadecido De seu funesto, rigoroso estado : O penetrante, o barbaro instrumento De atroz, violenta, inevitavel morte Olhando já na mão do algoz cruento : Inda assim não maldiz a iniqua sorte, Inda assim tem prazer, socego, alento O sabio verdadeiro, o justo, o...
Página 135 - Neste horrível sepulcro da existência O triste coração de dor se parte ; A mesquinha razão se vê sem arte, Com que dome a frenética impaciência. Aqui pela opressão, pela violência Que em todos os sentidos se reparte, Transitório poder quer imitar-te, Eterna, vingadora...

Informações bibliográficas