O valete de espadas

Capa
IBEP NACIONAL, 1960 - 206 páginas
0 Resenhas
O Valete de Espada, escrito na década de 1940, durante os anos em que Gerardo Mello Mourão, passou nas prisões do Estado Novo, ficou doze anos inédito e desconhecido, não fosse sua esposa ter enviado os originais clandestinamente ao Diário de Notícias, em 1955. O romance desde então é considerado pela crítica brasileira um dos mais importantes da literatura nacional. Pois trata com uma linguagem de alta voltagem poética e densidade simbólica, o fato de o homem estar inapelavemente perdido sobre a terra, já que distraído de si mesmo e de Deus. A personagem Gonçalo Falcão de Val-de-Cães faz uma verdadeira viagem aos infernos, tão intrigante como a de Homero, Dante e de toda uma elevada linhagem literária. Belo e tenso, não à toa O Valete de Espada foi vertido para inúmeras línguas e seu autor indicado ao Nobel de Literatura. A Coleção Letra de Bolso apresenta um livro desafiador, que exporá seus leitores diante da dramática condição de ser, do mundo, do tempo.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Seção 1
7
Seção 2
13
Seção 3
35
Seção 4
42
Seção 5
44
Seção 6
46
Seção 7
51
Seção 8
55
Seção 13
113
Seção 14
115
Seção 15
117
Seção 16
120
Seção 17
133
Seção 18
141
Seção 19
146
Seção 20
171

Seção 9
56
Seção 10
60
Seção 11
79
Seção 12
81
Seção 21
178
Seção 22
188
Seção 23
195
Seção 24
205

Outras edições - Visualizar todos

Informações bibliográficas