Negócios da China

Capa
E agora, para onde caminha Portugal?Fica a questão, depois de nos longos e difíceis anos da Troika, Portugal ter vendido as empresas de bandeira e boa parte das grandes sociedades nacionais terem sido compradas por capital estrangeiro, à partida menos sensíveis ao futuro da economia portuguesa. Um cenário que chega até nós enquadrado numa infeliz tempestade perfeita em que desaparece do mapa o grupo empresarial mais influente da sociedade portuguesa, o Grupo Espírito Santo, um universo de 400 empresas, arrastando consigo a majestática Portugal Telecom e muitas outras sociedades com menos visibilidade mediática. Não há capital em Portugal e os empresários estão falidos. Por isso, a alternativa, quando a venda se impõe, é procurar interessados no exterior. Afunilaram-se assim as oportunidades de escolha – vendeu-se a quem apareceu, à pressa e, por vezes, a preço de saldo. Perdeu-se pelo caminho o controlo dos centros de decisão, durante décadas defendidos, e até protegidos, em benefício dos empresários do regime. Desapareceram nos últimos anos centenas de milhares de empregos, grande parte deles qualificados. Os portugueses voltaram a emigrar em massa. O país transformou-se. QUEM SÃO OS NOVOS DONOS DE PORTUGAL?
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Seção 1
Seção 2
Seção 3
Seção 4
Seção 5
Seção 6
Seção 7
Seção 8
Seção 9
Seção 10
Seção 11
Direitos autorais

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Informações bibliográficas