Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias di arquétipo da mulher selvagem

Capa
Rocco, 1994 - 627 páginas
4 Resenhas
Através da interpretação de 19 lendas e histórias antigas, entre elas as de Barba-Azul, Patinho Feio, Sapatinhos Vermelhos e La Llorona, a autora procura identificar o arquétipo da Mulher Selvagem ou a essência da alma feminina, sua psique instintiva mais profunda. E propõe o resgate dese passado longínquo, como forma de atingir a verdadeira libertação.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Como dizem que pra tudo na vida tem seu momento de acontecer, com esse livro não seria diferente!
Sempre fui apaixonada por leitura. Há alguns anos, um amigo me indicou "Mulheres que correm com os
lobos", pesquisei e achei um pdf, li uma parte, salvei pra ler depois, mas como não sou fã de livros digitais (e-books), passaram-se anos e não voltei a ler.
Queria muito o livro físico, mas outras prioridades me distanciavam dele.
Semana passada (14dez2018) fui tomar café na Nobel Piracicaba, ao entrar na loja o livro estava ali, bem na passagem, refletindo a luz no Lobo da capa, o que me chamou muito a atenção, pois amo lobos e, quando cheguei perto para ver que livro seria, para minha surpresa e emoção, era o tão desejado "Mulheres que correm com os lobos", não pensei duas vezes em pegá-lo para ler, enquanto tomava meu café (deliciosa combinação), fui tomada de uma fome literária, lia compulsivamente, esquecendo-me de onde estava. Quando percebo que já tinha dado meu horário de ir, fiquei entristecida por, naquele momento, não poder levá-lo comigo, enfim, ontem (19dez2018), passeando pelo Instagram, ele me aparece novamente, me instigando (risos). Postei de manhã que seria o melhor presente de natal e a noite o ganhei do meu amado e atencioso marido! (suspiros de alegria). Ai ai! Estou muito empolgada para continuar minha deliciosa, esclarecedora, reveladora, despertadora leitura!
Super indico!!!
Escritora #JaneFernandaN
 

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Nasci macho, como diz as escrituras judaicas, origem da escritora desta pérola. Tornei-me homem, pela cultura em que fui criado. Como tal me vejo, sinto e sigo feliz. Nenhum problema com minha condição social de homem, embora na escala social do arquétipo branco, esteja no andar de baixo, porque negro. Até aí, problema dos homens brancos. Sigo meu destino tal como deve ser. Nestas condições, quando li o livro fiquei apaixonado por essa mulher. Que MULHER!!!!!Que livro. Que pesquisa foi essa? Donde saiu isso?. Episódio raro dentre nós. Gratidão ao Criador por nos ter brindado com uma figura desta. Deixou-a junto a nós, para isso. Vou presentear minhas alunas queridas com um exemplar deste.
Zallas Pascelles
 

Informações bibliográficas