Modernidade líquida

Capa
Editora Schwarcz - Companhia das Letras, 17 de abr. de 2001 - 258 páginas

No livro clássico de sua obra — agora em novo projeto gráfico —, o sociólogo Zygmunt Bauman examina como se deu a passagem de uma modernidade "pesada" e "sólida" para uma modernidade "leve" e "líquida", infinitamente mais dinâmica.

Zygmunt Bauman cumpre aqui sua missão de sociólogo, esclarecendo como se deu a transição da modernidade e nos auxiliando a repensar os conceitos e esquemas cognitivos usados para descrever a experiência individual humana e sua história conjunta.
É a essa tarefa que se dedica este livro. Analisando cinco conceitos básicos que organizam a vida em sociedade — emancipação, individualidade, tempo/espaço, trabalho e comunidade —, Bauman traça suas sucessivas formas e mudanças de significado.
Modernidade líquida complementa e conclui a análise realizada pelo autor em Globalização: As consequências humanas e Em busca da política. Juntos, esses três volumes formam uma análise brilhante das condições cambiantes da vida social e política

 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Conteúdo

Seção 1
Seção 2
Seção 3
Seção 4
Seção 5
Seção 6
Seção 7
Seção 8
Seção 15
Seção 16
Seção 17
Seção 18
Seção 19
Seção 20
Seção 21
Seção 22

Seção 9
Seção 10
Seção 11
Seção 12
Seção 13
Seção 14
Seção 23
Seção 24
Seção 25
Seção 26
Seção 27

Sobre o autor (2001)

ZYGMUNT BAUMAN (1925-2017) foi o grande pensador da modernidade. Perspicaz analista de temas contemporâneos, deixou vasta obra — com destaque para o best-seller Amor líquido. Professor emérito das universidades de Varsóvia e de Leeds, tem mais de quarenta livros publicados no Brasil, todos pela Zahar. Bauman nasceu na Polônia e morreu na Inglaterra, onde vivia desde a década de 1970.

Informações bibliográficas