Justiça: O que é fazer a coisa certa

Capa
Editora José Olympio, 31 de mar. de 2015 - 350 páginas
O curso "Justice", de Michael J. Sandel, é um dos mais populares e influentes de Harvard. Quase mil alunos aglomeram-se no anfiteatro do campus da universidade para ouvir Sandel relacionar grandes problemas da filosofia a prosaicos assuntos do cotidiano. São temas instigantes que, reunidos neste livro, oferecem ao leitor a mesma jornada empolgante que atrai os alunos de Harvard: casamento entre pessoas do mesmo sexo, suicídio assistido, aborto, imigração, impostos, o lugar da religião na política, os limites morais dos mercados. Sandel dramatiza o desafio de meditar sobre esses conflitos e mostra como uma abordagem mais segura da filosofia pode nos ajudar a entender a política, a moralidade e também a rever nossas convicções.
Justiça é o ao mesmo tempo estimulante e sensato – uma nova e essencial contribuição para a pequena prateleira dos livros que abordam, de forma convincente, as questões mais difíceis de nossa vida cívica. Um convite aos leitores de todas as doutrinas políticas a considerar controvérsias que já nos são familiares de maneira nova e iluminada
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Justiça é um best seller, que deverá ser bastante mitigado por muitos futuros juristas e pensadores..

Páginas selecionadas

Conteúdo

Seção 1
Seção 2
Seção 3
Seção 4
Seção 5
Seção 6
Seção 7
Seção 8
Seção 19
Seção 20
Seção 21
Seção 22
Seção 23
Seção 24
Seção 25
Seção 26

Seção 9
Seção 10
Seção 11
Seção 12
Seção 13
Seção 14
Seção 15
Seção 16
Seção 17
Seção 18
Seção 27
Seção 28
Seção 29
Seção 30
Seção 31
Seção 32
Seção 33
Seção 34
Direitos autorais

Outras edições - Visualizar todos

Sobre o autor (2015)

Michael J. Sandel (Minneapolis, 5 de março de 1953) é um filósofo, escritor, professor universitário, ensaísta, conferencista e palestrante estadunidense, que ficou reconhecido internacionalmente pelos seus livros Justiça: O que é fazer a coisa certa (2009) e Liberalismo e os limites da Justiça (1982). Seu mais recente livro chama-se O que o dinheiro não compra - os limites morais do mercado (2012).

Informações bibliográficas