Jango e eu: Memórias de um exílio sem volta

Capa
Editora José Olympio, 4 de jan de 2017 - 350 páginas
Mais do que um livro de memórias escrito pelo filho de João Goulart, este é um valioso registro sobre as consequências da perda da liberdade individual e um lembrete para ficarmos sempre atentos aos rumos políticos do país, de maneira a assegurar a manutenção da democracia. Neste inventário afetivo da família Goulart, o registro histórico se relaciona ao pessoal. A incerteza, a falta de notícias, a difícil adaptação ao cotidiano de um novo país. O terrível momento no qual ficou claro que o golpe militar duraria décadas. O avanço dos governos totalitários nas Américas. O fim da relativa liberdade com a queda da democracia uruguaia, no início da década de 1970, e a subsequente mudança dos Goulart para a Argentina. Os encontros com Paulo Freire, Glauber Rocha, Juan Domingo Perón, entre outros amigos ilustres de Jango.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Seção 1
Seção 2
Seção 3
Seção 4
Seção 5
Seção 6
Seção 7
Seção 8
Seção 13
Seção 14
Seção 15
Seção 16
Seção 17
Seção 18
Seção 19
Seção 20

Seção 9
Seção 10
Seção 11
Seção 12
Seção 21
Seção 22
Seção 23
Direitos autorais

Termos e frases comuns

Sobre o autor (2017)

João Vicente Fontella Goulart (Rio de Janeiro, 22 de novembro de 1956) é um filósofo e político brasileiro.Filho do ex-presidente da República João Goulart e de Dona Maria Thereza, viveu sua infância e adolescência do exílio no Uruguai ao lado dos pais. Foi um dos fundadores do Partido Democrático Trabalhista, ao lado do seu tio Leonel Brizola.

Informações bibliográficas