Horizonte perdido: O mito de Shangri-la

Capa
Editora Nova Alexandria, 28 de jan. de 2019 - 288 páginas
As aventuras de Horizonte Perdido começam com uma incrível viagem pelo Extremo Oriente na década de 1930. A bordo de um avião em fuga de uma conturbação revolucionária, quatro envolventes personagens acabam sendo conduzidos para Shangri-La, enigmático mosteiro de lamas cravado no Tibete. Naquele paraíso perdido, vão experimentar um tipo superior de aventura, a espiritual, iniciando uma jornada de auto-conhecimento e contemplação. Pouco a pouco, descobrem que a realidade pode ser vista com outros olhos – que não os do pragmatismo e da agressividade –, retomando a esperança no destino humano em meio a um mundo arrasado por guerras. É o caminho da pacificação do espírito e da satisfação plena. Horizonte Perdido é a obra-prima do escritor britânico James Hilton (1900-1954) e só agora ganha sua primeira tradução no Brasil. Ao ser publicada, em 1933, sintetizou a desesperança do mundo com os valores ocidentais após os horrores da Primeira Guerra Mundial. Suas idéias foram amplificadas por duas adaptações para o cinema: em 1937, pelas mãos do brilhante diretor Frank Capra, e em 1973, no musical de Charles Jarrott.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Sobre o autor (2019)

James Hilton (9 de setembro de 1900 - 20 de dezembro de 1954) foi escritor inglês de romances e roteiros para o cinema. Sua obra de maior destaque é o romance de 1933 Lost Horizon (Horizonte Perdido), em que idealiza o mito de Shangri-La. Nasceu em Leigh, Lancashire, Inglaterra, a 9 de setembro de 1900, e morreu em Long Beach, Califórnia, EUA, a 20 de dezembro de 1954. Realizou os primeiros estudos em Londres, onde seu pai era mestre-escola e, em 1921, formou-se em história pela Universidade de Cambridge. Mas na adolescência já revelava marcante inclinação literária, escrevendo seu primeiro romance, Catherine Herself (1920), com apenas dezessete anos de idade. Escrevia também uma apreciada coluna semanal para o jornal universitário Iris Independent.

Informações bibliográficas