Homens e caranguejos

Capa
Civilização Brasileira, 2001 - 188 páginas

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

A briga-de-galo não configura crime de maus-tratos. Para isto, seria necessário que o homem batesse no animal, ou lhe negasse comida até a inanição. A disputa é entre aves do mesmo peso e porte. Como na luta livre dos homens, ganha o melhor.
O galo de briga não é ave silvestre, motivo pelo qual não é da competência do IBAMA. Numa sociedade organizada, não há crime sem lei anterior que o defina. A briga-de-galo não se encontra proibida em qualquer estatuto. A briga-de-galo não compete à Sociedade de Defesa dos Animais, necessariamente porque um animal não pratica maus-tratos sobre um outro. Para que a Sociedade de Defesa dos Animais pudesse interferir, seria necessário que o homem promovesse os maus-tratos diretamente no animal. Por exemplo: negar água a um animal até a inanição, ou bater nele com uma chibata.
Na terrível sociedade feudal dos latifundiários da cana-de-açúcar, era terminantemente proibido aos escravos assistirem a brigas-de-galos, oportunisticamente para que essa pobre gente trabalhasse ininterruptamente sem direito ao lazer.
No Império Romano, os generais punham os galos a brigar como exemplo de valentia a seus soldados.
Através da memória genética das gerações vindouras à escravidão, existe nas pessoas indiferença à extinção do galo-de-briga. Isto resulta do pensamento dominante na impiedosa sociedade da cana-de-açúcar.
Amparados nesse preconceito imposto pelo interesse mesquinho dos coronéis do açúcar, os funcionários do IBAMA, da Defesa dos Animais e da polícia civil, fazem a festa com carne de galo gratuita, nos casamentos das filhas, nos aniversários dos filhos e nas farras homéricas, regadas a uísque escocês apreendido dos contrabandistas.
A perseguição às históricas e tradicionais brigas-de-galos, sem que exita lei anterior que a proíba de forma clara e manifesta, é um atentado à organização do Estado de Direito brasileiro.
Se essa perseguição indevida chegasse ao STF, este decidiria pela não-proibição da briga-de-galos nos termos da Constituição Federal, que veta qualquer ato de extinção de qualquer espécie no país. Sem que o desportista aficionado administre o dia-a-dia do galo-de-briga, a espécie inevitavelmente irá a extinção. Saiba-se que o galo-de-briga é a única espécie que briga com inteligência para vencer seu adversário, indo até a morte. Dir-se-ia gladiadores em luta!
Os criadores de galo-de-briga precisam se organizar em sociedade, para o efeito de processar por abuso de autoridade, a esses elementos que atentam contra a propriedade alheia para dela tirar proveito indevido.
Qual o motivo para se extinguir uma tipo de ave feito pela própria natureza, unicamente para brigar? Os pintos com um mês já brigam entre si. De quem é a culpa? Nesse caso, o criador vai separando os brigões que vão ficando em boxe individual.
A natureza, usando o tempo como ferramenta, gastou milhões de anos para produzir o galo-de-briga, esse ser que o egoismo dos homens quer levar à extinção. Se querem extinguir o galo-de-briga porque brigam entre si, devem extinguir também os leões, os tigres, as cobras, etc. porque todos esses brigam entre si. A diferença entre esses animais e o galo-de-briga, encontra-se na certeza deste lutar até a morte.
A polícia persegue as brigas-de-galo para se abastecer de carne de graça. A mídia e as pessoas que apoiam a extinção do galo-de-briga, apenas executam inconscientemente a vontade dos latifundiários da cana-de-açúcar.
Assim como não aceitamos a extinção do mico-leão-dourado, também repudiamos a extinção do histórico galo-de-briga.
Esses valentes que existem há milhões de anos, pedem socorros aos Excelentíssimos Senhores Ministros do Supremo Tribunal Federal, augustos guardiões da Carta Magna nacional.
No Brasil, a perseguição ao galo-de-briga começou quando Duda Mendonça foi preso participando de combates entre galos-de-briga. O Duda que é um dos maiores criadores de galos-de-combate em Salvador, não teve a perspicácia de levar a preservação
 

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

eu quero saber o nome de todos os personagens do livro homens e carangueijos

Outras edições - Ver todos

Informações bibliográficas