Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Logística Empresarial

Capa
Bookman Companhia Ed, 2006 - 616 páginas
17 Resenhas
Esta edição apresenta os aspectos operacionais, táticos e estratégicos da cadeia de suprimentos/logística empresarial. A obra traz os seguintes temas - logística empresarial/cadeia de suprimentos; estratégia e planejamento da logística/cadeia de suprimentos; o produto da cadeia de suprimentos/logística; logística/cadeia de suprimentos - serviço ao cliente; processamento de pedidos e sistemas de informação; fundamentos do transporte; decisão sobre transportes; necessidades de previsão da cadeia de suprimentos; decisões sobre política de estoques; decisões de compras de programação de dos suprimentos; o sistema de estocagem e manuseio; decisões de estocagem e manuseio; decisões de localização das instalações; o processo de planejamento da rede; organização da cadeia de suprimentos/logística; controle da cadeia de suprimentos/logística.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Avaliações de usuários

5 estrelas
14
4 estrelas
3
3 estrelas
0
2 estrelas
0
1 estrela
0

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

Todos os processos relacionados com a logística e a cadeia de suprimentos faz com que hoje em dia as empresas busquem pontos não explorados dentro de um conceito no mercado. Cada produto inserido ao mercado deve hoje em dia ter uma finalidade ou varias funcionabilidades dependendo do ponto do cliente ou proposto pela empresa, buscando as necessidades as quais precisamos acrescentar aos custos, ou simplesmente podemos agregar ao lucro possível dentro do mercado. Não basta melhorar, mas sempre renovar por outro modo a questão de gerenciamento, produção, armazenar, manusear e entregar, garantindo assim a satisfação do cliente.
Não basta só vender mas garantir que o produto descartados não agrida ao meio ambiente ou que tenha menos impacto ao meio ambiente, gerando sustentabilidade e garantindo aspectos positivos.
 

Comentário do usuário - Sinalizar como impróprio

MAPEAMENTO DA PESQUISA
INTRODUÇÃO
Neste Projeto Multidisciplinar de Autoaprendizagem o leitor irá aprender mais detalhadamente e funcionamento de um posto de combustível, seu mapeamento de processos
juntamente com sua cadeia de suprimentos, que estuda desde a retirada da matéria prima das plataformas petrolíferas até a chegada do combustível ao cliente final.
Também poderá apreciar a análise das principais dificuldades do gestor do Posto de Combustível Shell, localizado na Avenida norte Sul Nº1005, carapina na cidade de Serra/ES, juntamente com as possíveis soluções.
Boa Leitura.
MAPEAMENTO DE PROCESSOS: FERRAMENTA ESSENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DE QUALIDADE
Para que possa monitorar sua eficácia e aumentar sua receita, as empresas deverão planejar seu gerenciamento com enfoque nos processos, para que os gerentes saibam como atuar preventivamente na eliminação das causas que poderiam afetar negativamente estas duas variáveis no conjunto de suas atividades. Um processo empresarial, com procedimentos bem definidos e acompanhados, para se chegar a um determinado fim na forma de um produto ou serviço oferecido ao mercado. Quando a empresa mapeia os seus processos, entende melhor as suas atividades e percebe que elas obedecem a um encadeamento lógico, tornando mais eficiente a realização das tarefas e a busca dos resultados pretendidos.
Processo, para vitoria (1996), é um conjunto de causas (que provoca um ou mais efeitos). O controle de processo é a essência do gerenciamento em todos os níveis hierárquicos da empresa, desde o presidente até os operadores. O primeiro passo para o controle do processo é a compreensão do relacionamento causa efeito. Sempre que algo ocorre, existe um conjunto de causas que podem ter influenciado. Observando a importância da separação das causas de seus efeitos no gerenciamento, foi criado o “diagrama da causa efeito” ou como também é chamado “diagrama espinha de peixe” ou “diagrama de Ishikawa”.
Com este diagrama estão estabelecidos os processos (causas) e os efeitos que o mau andamento de qualquer processo pode acarretar na produção. Existem muitas maneiras documentais para desenvolver o mapeamento de processos, sendo que as ferramentas mais comuns são o fluxograma e o diagrama de blocos. Segundo Carvalho (2004), o fluxograma possibilita um maior detalhamento das fases e das etapas de um processo, enquanto que o diagrama de blocos permite uma visão geral da sequencia e da interação entre as partes de um processo. O autor ainda ressalta que as empresas que realizam o mapeamento muitas vezes se equivocam ao confundir processos com áreas, departamentos, produtos, serviços, projetos, programas, ou até mesmo com indicadores de desempenho, fazendo com que o processo não se desenvolva da maneira como a empresa necessita. Para realizar um mapeamento de processos, necessita-se ter em mente que processo é um conjunto de operações ou tarefas sistemáticas que interagem para gerar ganhos para o negócio ao detectar e definir as ações corretivas de tal forma que o problema seja extinto. Maranhão (2001) destaca que o ciclo PDCA é o método mais geral para trabalhar com qualidade. Existem várias seções da norma ISO 9000:2000 que foram estruturadas para condicionar a gestão das organizações a um ciclo lógico de melhorias contínuas, em consonância com o ciclo PDCA. A fase “C” (check) do ciclo tem como detalhamento e objetivo medir ou avaliar o processo, identificando a diferença entre o que foi feito contra o que foi planejado.
De acordo com Paulo (2004), os processos possuem uma hierarquia. Os mais importantes são os processos empresariais, que são críticos para o andamento do negócio e satisfação do cliente, após vem os processos, que são um conjunto de atividades que iniciam com o fornecedor e terminam com o cliente, sendo seguidos pelos sub-processos que são grupos de atividades da empresa que envolve um ou mais departamentos e por último vem às atividades ou tarefas, que são trabalhos
 

Todas as 10 resenhas »

Outras edições - Visualizar todos

Informações bibliográficas