Dicionário da história social do samba

Capa
Editora José Olympio, 29 de out. de 2015 - 336 páginas
Primeiro dicionário sobre a história do samba no Brasil Expressão da cultura marginal carioca do início do século XX, o samba resistiu a décadas de racismo e preconceito estético, e se tornou parte inextrincável da identidade nacional brasileira. Nesta obra de referência pioneira, Nei Lopes e Luiz Antonio Simas inscrevem o valor da negritude e da história dos negros na criação e na fixação do samba, e a ambígua inserção dessa cultura musical na sociedade de consumo. Mais do que apenas descrever conceitos, neste importante dicionário os autores reconstroem a memória cultural de nosso país. Os verbetes organizam a trama que compõe o enredo dessa narrativa: a repressão explícita dos primeiros tempos; as escolas de samba, os pagodes e rodas como polos de resistência; a distribuição geográfica desses espaços; o samba como gênero de música popular, com seus múltiplos e diversos subgêneros e estilos e suas diferenças regionais. E, principalmente, destacam os nomes fundamentais que fizeram essa história: compositores, instrumentistas, regentes, cantores, dançarinos, cenógrafos, diretores, entre outros.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Seção 1
Seção 2
Seção 3
Seção 4
Seção 5
Seção 6
Seção 7
Seção 8
Seção 15
Seção 16
Seção 17
Seção 18
Seção 19
Seção 20
Seção 21
Seção 22

Seção 9
Seção 10
Seção 11
Seção 12
Seção 13
Seção 14
Seção 23
Seção 24
Seção 25
Seção 26
Direitos autorais

Sobre o autor (2015)

Nei Lopes , bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil (atual UFRJ), é compositor de música popular e escritor. Dedicado estudioso da cultura africana, tem diversos livros e artigos publicados sobre o assunto. É autor de 20 contos e uns trocados , publicado pela Editora Record em 2006. Luiz Antonio Simas é mestre em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Publicou em parceria com o caricaturista Cássio Loredano, pela editora Folha Seca, o livro O vidente míope, sobre o desenhista J. Carlos e o Rio de Janeiro da década de 1920. É coautor, ao lado de Alberto Mussa, do ensaio Samba de Enredo, História e arte, lançado pela editora Civilização Brasileira (2010). Em 2012 publicou, na coleção Cadernos de Samba, o livro Portela – tantas páginas belas, pela editora Verso Brasil. Em 2013 lançou, pela Mórula Editorial, Pedrinhas Miudinhas: ensaios sobre ruas, aldeias e terreiros, reunindo 41 pequenos ensaios sobre cultura popular carioca, originalmente publicados no jornal O Globo. É ainda coautor do livro As Titias da Folia, sobre as escolas de samba cariocas. Lançará em 2015 o Dicionário da História Social do Samba, em parceria com Nei Lopes, e Prá tudo começar na quinta-feira, em parceria com Fábio Fabato. Foi consultor de acervo da área de Música de Carnaval do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro. Foi jurado, em 2013, do Estandarte de Ouro, maior premiação do Carnaval . É colunista do jornal O Dia, onde assina coluna semanal sobre a cultura das ruas cariocas. Desenvolve atualmente o projeto Ágoras Cariocas, ligando educação, música popular e história dos bairros da Zona Norte do Rio de Janeiro, em parceria com o coletivo Norte Comum. Recebeu em 2014, por serviços prestados à cultura do Rio de Janeiro, o conjunto de medalhas da comenda Pedro Ernesto, conferido pela Câmara Municipal.

Informações bibliográficas