Circular é preciso, viver não é preciso: a história do trânsito na cidade de São Paulo

Capa
Annablume, 1999 - 297 páginas
Nesta obra, Eduardo Alcântara de Vasconcellos propõe uma leitura complementar às análises feitas sobre o trânsito na capital. Enquanto a bibliografia tradicional sobre o tema aborda aspectos técnicos e quantitativos, Vasconcellos investiga como se deu a intervenção do município do ponto de vista da política pública. Um ensaio original e fundamental, abordando a forma como o Estado alterou as condições de circulação na cidade, jogando luz nos instrumentos utilizados, pressões exercidas e interesses atendidos prioritariamente. 'Circular é preciso, viver não é preciso' é uma investigação do Estado na circulação urbana aliando dois campos do conhecimento: o do transporte, ligado tradicionalmente à área de engenharia e, portanto, de cunho quantitativo; e o da sociologia e da política, pertencente à área das ciências sociais, de cunho mais qualitativo. Sua metodologia caracteriza-se pela busca da análise multidisciplinar, associando o conhecimento destas duas áreas.
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

ASPECTOS GERAIS
23
SOCIOLOGIA DA CIRCULAÇÃO URBANA
39
ABORDAGEM SOCIOPOLÍTICA DA CIRCULAÇÃO URBANA
55
A FORMAÇÃO DA QUESTÃO TRÂNSITO
68
A AÇÃO INSTITUCIONAL
100
RECURSOS ENVOLVIDOS
117
A AÇÃO TÉCNICA
127
A AÇÃO POLÍTICA
159
IMPACTOS NA FLUIDEZ
192
IMPACTOS NA MICROACESSIBILIDADE
200
IMPACTOS NA QUALIDADE DE VIDA
211
MOMENTOS E AÇÕES
223
CARACTERÍSTICAS
229
CONSIDERAÇÕES GERAIS E CONCLUSÕES
249
ANEXOS
255
BIBLIOGRAFIA
291

A AÇÃO FISCALIZADORA
167
IMPACTOS NA MACROACESSIBILIDADE
179

Outras edições - Visualizar todos

Passagens mais conhecidas

Página 293 - O preço do progresso: crescimento económico, pauperização e espoliação urbana. Cidade, povo e poder. Rio de Janeiro: CEDEC/Paz e Terra.
Página 297 - Suas fotos tem sido publicadas nos principais periódicos nacionais desde 1985, tais como os jornais O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde e Folha de S. Paulo, e as revistas Época e Veja.

Informações bibliográficas