Bem julgar: ensaio sobre o ritual judiciário

Capa
Instituto Piaget, 1999 - 345 páginas
Esta obra dedica-se a desvendar o ritual da audiência em todas as suas facetas, demonstrando, por exemplo, como o espaço da sala de audiências está arrumado para culpabilizar e inibir o arguido, para o submeter à ordem judicial. Poderão os juízes passar sem todas estas encenações para julgar bem? É a esta questão que se prende a reflexão de Antoine Garapon através da comparação dos sistemas judiciários francês e americano, da análise da intrusão dos media no período do processo e do recurso a certas obras de Esquilo, Freud e Kafka. Este livro demonstra que a busca do 'julgar bem' obriga à imersão in concreto na experiência do acto de julgar.

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Informações bibliográficas