A idade da noite

Capa
Atelie Editorial, 2002 - 462 páginas
0 Resenhas
Este é o primeiro de dois volumes que a Ateliê publica com a obra completa do poeta gaúcho. Reúne as primeiras décadas da produção que o colocou no rol dos mais relevantes escritores de nosso tempo. As tradições e a realidade social dos pampas se sobressaem na visão poética de Nejar. Assim como Carlos Drummond de Andrade (inconfundivelmente mineiro) e João Cabral de Melo Neto (inconfundivelmente nordestino), ele preocupa-se basicamente com a poesia do homem e pelo homem. Sumário meus estimados vivos O TúnelOs Trabalhos da NoiteCivilização CaladaPequenas ComunicaçõesO VentoPerdi o Fatal DiscernimentoEstive em Vossa CidadeOs Trabalhos da LuzAs Folhas do CoraçãoSe os Dias não Fossem AbreviadosRosas Brancas num VasoDepois Vos ContareiProvaçãoAldeia MínimaAs Filhas dos HomensEstirpeTúnel MortoVoamosA Luz DormiaCuidavaNúmerosNum Acender e Apagar de OlhosLuz-GriteiUm PátioSono da OliveiraMesmas FeiçõesResolveu Levar-meO Céu dos CéusUniversoA ferocidade das coisas Sem Revolver o FogoTeu Amor Pode ExplodirO Que Nos Salta do DiaPedra Que RolouTudo FizPara Transpor o MarAs Coisas ViamConstânciaAs Coisas RelutamAvesso de ViverIndistinta ChamaNum ClarãoPor Onde se AlargarNinguémO Horário Range, a SolidãoNão é Menos a MorteAves nas PedrasSem RaízesO Coração não SabeO UniversoTranseunteO Casco e as OndasNos Fitam de outro SéculoAs Coisas, como Separá-lasOs Secretos PoderesPedem PousoAquém de Sua VontadeSenhaTua NoiteOs RiscosAlguma SobraOs TigresVolta do JogoNão Carreguem os MortosAos TurnosQue Ponto o Amor é AmorO Hálito de um VivoEntre as Coisas VilaniaSob o TravesseiroDinastia SubterrâneaPerdi a MorteO SinalA EspreitaPode a MemóriaUm Diasomos poucos PrólogoToldoExplosãoCriaturasArgamassa(1. O Século . 2. Ave Liberdade. 3. Ciclo)O poço do calabouço O poçoSituaçãoAssédioDisposições GeraisMora JudicialCondiçãoOráculoII. inventos do medo RuminaçãoPériploFluidezAlgemasEquidadeBem-aventurançasFruiçãoFeiraFrequênciaSine dieRasanteIII. lado a lado PercursoAluguelPuimentoDecisão DiáriaEspelhoParceriaCamaradagemQuinhãoPátriaRestriçõesAvaliaçãoAlentoCortejoÓboloRotaCarregamentoSucessãoLitaniaEvocaçãoAríeteConvocaçãoIV. saída ElegiaCoesãoAlforriaVaticínioFluvialPercussãoO Selo dos DiasDerrubadacasa dos arreios AssentadaProgenituraCarta de GuiaCircunstânciasSuplicaçãoInquiriçãoDiaristaEntreatoMetafísicaInquisidorAproximaçãoVersículosDádivaDerivaDespojamentoArrasHeráldicaAjuizamentoRolUti possidetisVórticeSalvo-condutoPenhorTribulaçãoNas Altas TorresJurisdiçãoTrajetocanga (Jesualdo Monte) desembarqueAlistamentoVisitanteCultivoO ExílioTestemunhoO Mudávelarrevesso CangaCandeiaEngenhoCocheiraTrabalhoInterregnodemarcação Animais de OrdenhoO Dono da TerraSustento ForteMinério da EsperançaO LegadoCânticoProtestoEditalPercalçosAprestoPremoniçãoTombamentoPoema da DevastaçãoClepsidraDo LugarMorte-CriaturaEmbarcaçãolisura Agoniaordenações Ordenação Primeira – resgateOrdenação Segunda – feitoriasOrdenação Terceira – do mundoOrdenação Quarta – arrolamentoOrdenação Quinta – formal de partilhadanações AdvertênciaReconhecimentoLinhagemComparecimentoQualificaçãoDo Trato com a VidaApreensãoDa Deliberação ImprofícuaNo TribunalDo Trato com a MorteAntepastoDo TrabalhoO RevésDa HonraDa Refeição AssíduaCarênciaO InterrogatórioResoluçãoAos Senhores do TributoAos Amigos e InimigosO DepoimentoO GanhoDa PoupançaDa Provável ExplosãoDanações Contra a Dúvida e seu NomeDanações Contra a UsuraA Doma e sua DanaçãoAos Senhores da Ocasião e da GuerraAcareaçãoDas Emendas e ConsertosO JuizA TramaSentençaCapturaRepúdioDesígnioO EmbarqueTravessiaInscriçãoO campeador e ovento Canto I – De Como a Terra e o Homem se Unem. Oficio do LavradorCanto II – O Lavrador e a Faina- SaldoCanto III – Morte do Lavrador- InumaçãoCanto IV – Do Homem e sua CasaCanto V – O Lavrador e o Vento. MetamorfosesCanto VI – Meditações sobre o Morto. ExigênciasCanto VII – De como Cavalo e Dono se Encontram. A MontaduraCanto VIII – Libertação do CavaleiroCanto IX – Do Campeador e Seu Andamento. UtensíliosCanto X – O Campeador com as Rédeas do Tempolivro do tempo livro de silbion Canto I – InvocaçõesCanto II – Livro da Terra e dos HomensCanto III – Livro do SolCanto IV – Livro do Ten1poCanto V – OdeCanto VI – Invenção no CaosCanto VII – Homem no CaosCanto VIII – Construção do SolCanto IX – Construção da NoiteCanto X – Construção da AuroraTestamento de Silbionsélesis Poema de SélesisO Mar e EuNascimento do PoetaMenino de BronzeLunalvaNoite Sem NomeNoite de Ácidosfontes bibliográficas
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Conteúdo

Ordenação Primeira RESGATE
185
Ordenação Segunda FEITORIAS
209
Ordenação Terceira DO MUNDO
226
Ordenação Quarta ARROLAMENTO
240
Ordenação Quinta FORMAL DE PARTILHA
251
DANAÇÕES
267
O CAMPEADOR E OVENTO
299
De Como a Terra e o Homem se Unem Oficio do Lavrador
301
LIVRO DO TEMPO
347
LIVRO DE SILBION
367
Invocações
369
Livro daTerra e dos Homens
373
Livro do Sol
382
Livro do Tempo
388
Canto VOde
396
Invenção no Caos
406

Saldo
304
Inumação
310
Do Homem e sua Casa
313
O Lavrador e o Vento Metamorfoses
316
Meditações sobre o Morto Exigências
323
De como Cavalo e Dono se Encontram A Montadura
325
Libertação do Cavaleiro
334
Do Campeador e Seu Andamento Utensílios
337
O Campeador com as Rédeas do Tempo
342
Homem no Caos
411
Construção do Sol
418
Construção da Noite
425
Construção da Aurora
432
Testamento de Silbion
438
SELESIS
441
Poema de Sélesis 443 O Mar e Eu 448 Nascimento do Poeta 449 Menino de Bronze 450 Lunalva 451 Noite Sem Nome 452 Noite de Ácidos
453
FONTES BIBLIOGRÁFICAS
459
Direitos autorais

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Informações bibliográficas